sicnot

Perfil

Desporto

Movistar nega ter ocultado informações sobre estado clínico de ciclista em coma

A Movistar negou hoje ter ocultado dados sobre o estado clínico do ciclista Adriano Malori, que continua em coma induzido na sequência do traumatismo cranioencefálico que sofreu numa queda na quinta etapa do Tour de San Luis.

A Movistar explica que, depois do acidente e de ser admitido no hospital, Malori foi induzido em estado de coma, "entendendo-se como tal o estado de sedação induzido com o objetivo de permitir que as lesões do paciente sarem de forma controlada", pelo que, em nenhum momento, o coma foi consequência direta do traumatismo. (Arquivo)

A Movistar explica que, depois do acidente e de ser admitido no hospital, Malori foi induzido em estado de coma, "entendendo-se como tal o estado de sedação induzido com o objetivo de permitir que as lesões do paciente sarem de forma controlada", pelo que, em nenhum momento, o coma foi consequência direta do traumatismo. (Arquivo)

Daniel Ochoa de Olza / AP

A equipa líder do 'ranking' mundial respondeu assim às especulações surgidas nos últimos dias na imprensa, sobretudo na espanhola, que davam conta que o estado do ciclista italiano era mais grave do que foi tornado público e que este teria caído devido a um problema de saúde e não o contrário.

Depois de informar que o campeão italiano de contrarrelógio vai ser transferido para uma clínica especializada de Buenos Aires (Argentina), a fim de ser submetido a exames médicos "mais precisos, com técnicas e instrumentos não disponíveis na clínica de San Luis, na qual ingressou depois do seu acidente", a formação espanhola assumiu sentir-se na obrigação de clarificar algumas informações veiculadas em diferentes meios de comunicação.

"Primeiro, os corredores que presenciaram o acidente de perto corroboraram a forma como este se produziu: Adriano Malori passou por cima de um buraco, o que o desequilibrou e fez cair contra o asfalto. Esta foi, sem dúvida, a causa do acidente", começa por esclarecer o comunicado.

A Movistar explica que, depois do acidente e de ser admitido no hospital, Malori foi induzido em estado de coma, "entendendo-se como tal o estado de sedação induzido com o objetivo de permitir que as lesões do paciente sarem de forma controlada", pelo que, em nenhum momento, o coma foi consequência direta do traumatismo.

"A Movistar sempre informou do estado físico dos seus ciclistas quando, como no caso de Adriano Malori, são vítimas de um acidente em competição ou fora dela. A informação é dada com a maior transparência e mediante atualizações periódicas, sem prejuízo das limitações que, em ocasiões, impõe o respeito devido da intimidade do corredor afetado e dos seus próximos", prossegue a nota.

Em jeito de conclusão, a equipa na qual alinha o português Nelson Oliveira garante que nunca teve a intenção de ocultar a maior ou menor gravidade do estado físico do corredor.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Será este o "momento mais Ronaldo" de sempre?

    Desporto

    Cristiano Ronaldo é protagonista de mais um momento que corre nas redes sociais. Depois de marcar o sexto golo do Real Madrid frente ao Desportivo da Corunha, o jogador português ficou ferido no rosto e foi obrigado a abandonar o campo. Mas antes, mesmo com a cara ensanguentada, pediu um telemóvel com "espelho" para ver a extensão do corte. Há quem brinque com a situação, dizendo que Ronaldo levou a sua obsessão com a sua imagem a um novo nível, mas há também quem desvalorize a situação.

    SIC

  • Democratas aceitam compromisso para acabar com shutdown nos EUA

    Mundo

    Os senadores democratas aceitaram esta segunda-feira um acordo orçamental provisório que vai permitir acabar com a paralisação parcial do Governo federal dos Estados Unidos, situação conhecida como shutdown, anunciou o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer.

  • Refeição de 1.100 euros em Veneza

    Mundo

    O centro de Veneza oferece os mais variados restaurantes. Com menu obrigatório, sem menu, com taxas, sem taxas, sentando ou em pé. Depois há aqueles restaurantes que cobram 1.100 euros por cinco pratos acompanhados por água. O caso aconteceu com quatro turistas japoneses, que depois de pagarem a conta, apresentaram queixa às autoridades. O presidente da Câmara da cidade italiana já disse que ia investigar a situação e, caso se confirmasse, prometeu que iria castigar os responsáveis.

    SIC