sicnot

Perfil

Desporto

Autoridades do ténis vão investigar resultados combinados

As autoridades do ténis mundial anunciaram hoje a abertura de um inquérito independente para investigar os alegados resultados combinados e que envolveriam vários jogadores do 'top-50' mundial.

© Vincent Kessler / Reuters

Num comunicado conjunto, a Federação Internacional de Ténis (ITF), os circuitos masculino (ATP) e feminino (WTA) e o comité dos quatro torneios do 'Grand Slam' explicaram que o inquérito servirá para reforçar a integridade do jogo.

As entidades pediram ainda aos governos de todo o mundo que criminalizem os resultados combinados.

A 17 de janeiro, na véspera do início do Open da Austrália, primeira prova do 'Grand Slam' da temporada, a BBC revelou hoje que 16 tenistas que integraram o 'top-50' mundial na última década, incluindo vencedores de 'majors', estiveram envolvidos em jogos com resultados combinados.

"Na última década, 16 jogadores classificados nos 50 primeiros foram repetidamente assinalados pela Unidade de Integridade do Ténis (TIU) devido a suspeitas de que estariam a combinar resultados de jogos. Todos os tenistas, incluindo vencedores de 'Grand Slams', foram autorizados a continuar a competir", alega a investigação conjunta da BBC e do sítio na Internet BuzzFeed News.

A cadeia de televisão britânica sustenta as alegações com o acesso a ficheiros secretos, nos quais se inclui uma investigação iniciada pela ATP, em 2007.

"Num relatório confidencial para as autoridades tenísticas, em 2008, a equipa de investigação defendeu que 28 atletas deveriam ser investigados, mas as indicações nunca foram seguidas", afiançou a BBC, indicando que três dos encontros combinados ocorreram no torneio de Wimbledon.

Lusa

  • O poder da linguagem corporal nos tribunais
    9:12
  • Fomos conhecer o novo Samsung S8
    1:42

    Mundo

    Depois da crise dos telemóveis Samsung Note 7 com bateria defeituosa que podia explodir, a marca tinha que lançar um aparelho inovador. O S8 foi anunciado esta quarta-feira em Londres. O repórter da SIC, Lourenço Medeiros, foi ver como é.

    Enviado SIC