sicnot

Perfil

Desporto

Final da Taça da Liga pode vir a ser disputada em Macau, diz Pedro Proença

O presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, avançou hoje a possibilidade de a final da Taça da Liga poder vir a ser disputada em Macau.

Pedro Proença, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional. (Arquivo)

Pedro Proença, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional. (Arquivo)

Fernando Veludo / Lusa

"Gostaríamos muito de poder potenciar, e que a nossa [final] Taça da Liga pudesse pela primeira vez ser realizada em espaço que não fosse o espaço português, quem sabe aqui em Macau, seria um pontapé de saída muito importante, obviamente com o apoio do senhor cônsul, que connosco tem partilhado estas ideias", disse Pedro Proença.

O presidente da LPFP falava aos jornalistas em Macau, no final de uma visita de sete dias à China, que incluiu a negociação para o eventual patrocínio da II Liga pela empresa chinesa Ledman, com sede em Shenzhen, uma cidade chinesa próxima de Hong Kong.

A possibilidade de a final Taça da Liga ser disputada em Macau foi invocada por Pedro Proença no âmbito da estratégia de internacionalização e de sustentabilidade da atual direção.

"No espaço de tempo em que nós estamos a desenvolver a nossa atividade, os direitos televisivos valiam 80 milhões de euros e passaram a 200 milhões. A II Liga, que era uma liga insustentável e que estava em falência técnica, conseguiu que os direitos televisivos fossem potenciados, conseguiu agora um princípio de patrocinador", afirmou.

"O trabalho está a ser desenvolvido, está a ser feito com sustentabilidade e com estratégia e, todos imbuídos do mesmo espírito, temos a certeza de que o futebol português deixará o lastro negativo que no passado muito próximo aconteceu. E portanto, é a mudança de uma nova página, de um paradigma verdadeiramente profissional", sublinhou.

Pedro Proença disse ainda que durante a atual época desportiva a Liga Portuguesa de Futebol Profissional prevê um resultado positivo de 1,5 milhões de euros.

O antigo árbitro internacional fez um balanço positivo da visita à China: "Com esta viagem, o que conseguimos, e tivemos a perceção clara, é a de que o futebol português tem realmente condições únicas para, se reposicionado, de poder alcançar feitos nunca antes alcançados, e enquanto presidente [da LPFP] estou extremamente satisfeito".

Questionado sobre um eventual maior controlo sobre as críticas feitas aos árbitros portugueses, à semelhança do que acontece noutros campeonatos europeus, Pedro Proença defendeu a revisão dos atuais regulamentos.

"Há uma convicção clara de que não poderemos dizer mal do produto que queremos vender. Da minha parte, serei o primeiro a defender esta tese e tudo farei para que os nossos regulamentos penalizem quem não trata bem aquilo que é hoje uma atividade e uma indústria que temos de defender", afirmou.

Já sobre a ausência de árbitros portugueses no Europeu de futebol de 2016, em França, disse que se trata de "um período de transição" e que "é preciso dar espaço a esta nova geração", mostrando-se convicto de que o próximo Campeonato do Mundo, em 2018, na Rússia, terá árbitros portugueses.

"Ainda ontem [quinta-feira] fui confrontado com um pedido em que se solicitavam árbitros portugueses para poderem arbitrar nas competições chinesas e, portanto, se mais não houvesse, é um elogio da competência dos nossos árbitros", disse.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.