sicnot

Perfil

Desporto

Mónaco reforça segundo lugar do campeonato francês com golo de Bernardo Silva

O Mónaco reforçou esta terça-feira o segundo lugar do campeonato francês de futebol após receber e vencer o Bastia, por 2-0, com um golo de Bernardo Silva, no arranque da 24ª jornada.

© Eric Gaillard / Reuters

O extremo português foi titular na formação comandada por Leonardo Jardim, assim como Ricardo Carvalho, Fábio Coentrão e João Moutinho, e marcou aos 73 minutos, confirmando o triunfo dos monegascos, que tinham chegado à vantagem através de um autogolo de Modesto, aos 35.

Perante o 13.º classificado da prova, o avançado Hélder Costa reforçou a presença de jogadores portugueses no Mónaco, quando entrou em campo aos 67 minutos.

Com este triunfo, a equipa liderada por Jardim ficou provisoriamente com cinco pontos de vantagem sobre o Angers, terceiro classificado, que joga na quarta-feira no terreno do Reims, e colocou-se a 21 do Paris Saint-Germain, que tem praticamente garantido um quarto título consecutivo.

Em Montpellier, o Marselha venceu a formação da casa, por 1-0, com um golo de N'Koudou, aos 68 minutos, e igualou à condição o Rennes no sexto lugar, com 34 pontos. Os forasteiros terminaram o encontro com menos uma unidade, devido à expulsão de Thauvin, aos 70.

Lusa

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões de animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Gases tóxicos expelidos pelo Kilauea ameaçam a população no Havai
    1:51
  • Gilberto Gil cancela atuação em Israel

    Cultura

    O músico brasileiro Gilberto Gil cancelou a atuação que tinha marcada para Telavive, em Israel, no dia 4 de julho, na sequência de protestos em Gaza durante os quais o exército daquele país matou 60 palestinianos.