sicnot

Perfil

Desporto

Presidente e diretores do atual campeão chinês de futebol anunciam demissão

O presidente e dois diretores do atual penta-campeão chinês de futebol, o Guangzhou Evergrande, equipa orientada pelo técnico brasileiro Luís Felipe Scolari, antigo selecionador português, apresentaram hoje a demissão, avançou o clube em comunicado.

reuters

O líder máximo do Evergrande, Ke Peng, o vice-diretor Mai Jianle e o membro do conselho de administração, Zhang Hongping, resignaram todos por "motivos pessoais", lê-se na nota.

Ke assumiu a presidência do clube no ano passado, após abandonar o cargo de diretor de marca no grupo imobiliário que pertence à mesma empresa que gere o clube.

Segundo a agência oficial chinesa Xinhua, Liu Yongzhuo, atual membro da administração, deverá assumir a liderança do Evergrande.

O clube, que é também o atual vencedor da Taça dos Campeões asiática, angariou recentemente quase 121 milhões de euros em bolsa e está hoje avaliado em 2,2 mil milhões de euros, um valor muito superior a importantes conjuntos da Europa.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.