sicnot

Perfil

Desporto

Treinador José Morais internado com suspeita de hemorragia cerebral

O treinador do Antalyaspor, o português José Morais, foi esta quarta-feira internado com suspeitas de hemorragia cerebral, segundo um vice-presidente do clube turco de futebol, citado pela Eurosport.

O antigo adjunto de José Mourinho, que já comandou clubes como Santa Clara, Espérance Tunis e Al-Shabab, entre outros, chegou ao clube turco no início de 2016. (Arquivo)

O antigo adjunto de José Mourinho, que já comandou clubes como Santa Clara, Espérance Tunis e Al-Shabab, entre outros, chegou ao clube turco no início de 2016. (Arquivo)

© Reuters Staff / Reuters

"O nosso treinador está no hospital, com suspeitas de hemorragia cerebral. Estamos a acompanhar de perto o seu estado de saúde", afirmou Kulübü Asbaskani Hasan Ali Ceylan, acrescentando que o técnico, de 50 anos, se queixou de dores de cabeça.

Após 19 jornadas, o Antalyaspor ocupa o 14.º lugar da Liga turca, com 21 pontos, sete acima da zona de despromoção.

O antigo adjunto de José Mourinho, que já comandou clubes como Santa Clara, Espérance Tunis e Al-Shabab, entre outros, chegou ao clube turco no início de 2016, assinando um contrato válido até junho de 2017 para suceder a Samuel Eto'o, que comandou interinamente a equipa após a saída de Yusuf Simsek.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.