sicnot

Perfil

Desporto

Treinador José Morais sofre hemorragia cerebral

O Antalyaspor confirmou esta quarta-feira, oficialmente, que o treinador português do clube, José Morais, "sofreu uma hemorragia cerebral" e está "sob observação" numa unidade hospitalar.

O antigo adjunto de José Mourinho, que já comandou clubes como Santa Clara, Espérance Tunis e Al-Shabab, entre outros, chegou ao clube turco no início de 2016. (Arquivo)

O antigo adjunto de José Mourinho, que já comandou clubes como Santa Clara, Espérance Tunis e Al-Shabab, entre outros, chegou ao clube turco no início de 2016. (Arquivo)

© STRINGER Italy / Reuters

"O treinador José Morais foi internado em consequência de tonturas e pressão arterial elevada. Os exames efetuados diagnosticaram uma hemorragia cerebral (...), estando agora sob observação", pode ler-se numa mensagem publicada na página internet do clube.

Na nota, o Antalyaspor promete dar a conhecer os desenvolvimentos sobre o estado de saúde do seu treinador.

Após 19 jornadas, o Antalyaspor ocupa o 14.º lugar da Liga turca, com 21 pontos, sete acima da zona de despromoção.

O antigo adjunto de José Mourinho, que já comandou clubes como Santa Clara, Espérance Tunis e Al-Shabab, entre outros, chegou ao clube turco no início de 2016, assinando um contrato válido até junho de 2017 para suceder a Samuel Eto'o, que comandou interinamente a equipa após a saída de Yusuf Simsek.

Lusa

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11