sicnot

Perfil

Desporto

Jamie Vardy prolonga contrato com o Leicester até 2019

O avançado Jamie Vardy, melhor marcador do campeonato inglês de futebol, prolongou até 2019 o contrato com o Leicester, anunciou este sábado o líder da prova, no dia em que conquistou uma vitória importante, sobre o Manchester City.

"Estou muito feliz por estar a lutar para conquistar algo de especial por este clube. Nunca encontrei um espírito como este, desde os donos, à equipa técnica, passando pelos jogadores e os adeptos. Quero fazer parte deste clube por muito tempo", disse Vardy.

"Estou muito feliz por estar a lutar para conquistar algo de especial por este clube. Nunca encontrei um espírito como este, desde os donos, à equipa técnica, passando pelos jogadores e os adeptos. Quero fazer parte deste clube por muito tempo", disse Vardy.

Rui Vieira / AP

"Estou muito feliz por estar a lutar para conquistar algo de especial por este clube. Nunca encontrei um espírito como este, desde os donos, à equipa técnica, passando pelos jogadores e os adeptos. Quero fazer parte deste clube por muito tempo", disse Vardy.

O avançado, de 29 anos, tem sido um dos jogadores mais influentes do Leicester, apesar de hoje não marcado qualquer golo no triunfo dos 'foxes' no estádio do perseguidor Manchester City, por 3-1, em jogo da 25.ª jornada do campeonato.

O Leicester reforçou o comando da prova, com cinco pontos de vantagem sobre o Tottenham, segundo classificado, que se impôs por 1-0 na receção ao Watford, e seis sobre o City, assumindo-se como o mais sério candidato à conquista do primeiro título de campeão inglês, em 132 anos de história.

"O Leicester demonstrou total confiança em mim desde o dia em que cheguei ao clube, há três anos e meio e é impossível dizer quanto essa confiança me ajudou a tornar-me um jogador melhor, observou o avançado inglês.

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.