sicnot

Perfil

Desporto

Ex-administrador da SAD do União de Leiria detido na Gâmbia

O ex-administrador da SAD do União de Leiria António Bastos foi recapturado na última noite na Gâmbia, África Ocidental, depois de ter fugido de Bissau, disse fonte policial guineense à Lusa.

Será a segunda vez na sua carreira que Liran Liany, de 40 anos, estará num jogo dos bracarenses.

Será a segunda vez na sua carreira que Liran Liany, de 40 anos, estará num jogo dos bracarenses.

© Valentin Flauraud / Reuters

António Bastos foi detido no dia 3, em Bissau, para ser sido extraditado para Portugal, de onde se pôs em fuga em 2011 depois de condenado a 13 anos de prisão por homicídio.

Durante as diligências, António Bastos terá simulado uma indisposição para sair de uma audição em tribunal para o Hospital Simão Mendes, na capital guineense, na segunda-feira, dia 8 - unidade de saúde onde ficaria internado.

A PJ local já tinha sido informada de que estava a ser preparado um plano de fuga de António Bastos, "que previa um assalto à sede" da polícia com o envolvimento de várias pessoas, referiu fonte daquela força de segurança à Lusa.

A vigilância foi reforçada, mas "terá sido preparado um plano B", com a transferência para o hospital, de onde o português fugiu entre segunda e terça-feira de Carnaval.

Para o fazer, terá sido encenada uma substituição de seguranças "que fez sair o guarda prisional" que o acompanhava, surgindo ao mesmo tempo um novo advogado que, numa alegada declaração, "assumia a custódia do cliente", acrescentou.

A Polícia Judiciária só foi alertada para a fuga na manhã de quarta-feira e recebeu uma pista de que Bastos teria escapado para a Gâmbia, país onde já tinha mantido contactos em meses anteriores, 100 quilómetros a norte da Guiné-Bissau (atravessando parte do Senegal).

Uma equipa de quatro elementos da PJ guineense junta-se a outros dois elementos das autoridades gambianas para encontrar o foragido na capital da Gâmbia, Banjul, enquanto em Bissau são ouvidos familiares e outras pessoas que lidaram com Bastos.

A chave para voltar a descobri-lo surge na quinta-feira quando a esposa recebe, através de um intermediário, uma mensagem por telefone indicando que o marido já tinha chegado a Banjul.

Seguem-se horas de contactos para, a partir do mensageiro, as autoridades chegarem à origem.

Já na companhia de uma pessoa que conhecia a casa onde Bastos podia estar, a polícia acaba por cercá-lo pelas 21:00.

"Ao notar a presença da polícia ainda tentou fechar-se dentro de casa", mas as autoridades acabaram por entrar e detê-lo - decorrendo agora o processo legal para o levar de Banjul para Bissau, de onde deverá depois ser extraditado para Portugal.

Na última semana, a PJ ordenou a apreensão do livro do registo civil da cidade de Canchungo em que foi atribuída a nacionalidade guineense a António Bastos em 2014 e interrogou o delegado e o conservador que intervieram no processo.

Foi ainda questionada a única testemunha do registo, mas quando confrontada com a fotografia de Bastos, disse à polícia que não era aquela a pessoa cujo registo presenciou.

O foragido viajava pelo estrangeiro, mas evitando a Europa, com passaporte em nome de António José Santos Pereira.

A fuga remonta a dezembro de 2011, quando o Tribunal de Porto de Mós foi oficialmente notificado do desaparecimento do empresário, que se encontrava em prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, na Figueira da Foz.

António Bastos foi condenado em 2010 pelo homicídio de um homem que tentou assaltar a sua empresa quando este já se encontrava algemado pela GNR.

Mais tarde, recebeu a notícia de que o acórdão do Supremo Tribunal de Justiça mantinha a pena de 13 anos de prisão.

Foi condenado ainda a pagar à família da vítima uma indemnização no valor de 111 mil euros.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.