sicnot

Perfil

Desporto

Sebastien Ogier mantém liderança do rali da Suécia

O francês Sebastien Ogier (Wolkswagen Polo-R), tricampeão do mundo e líder do mundial de ralis, manteve hoje a liderança do rali da Suécia e está a duas especiais de vencer a prova.

Nikos Mitsouras

Ogier começou mais rápido, terminando na frente a primeira especial, com mais 3,9 minutos do que o norueguês Andreas Mikkelsen.

O finlandês Jari-Matti Latvala, que na sexta-feira foi forçado a abandonar por problemas na suspensão, dominou em três das cinco especiais, terminando a segunda etapa na 26.ª posição.

Em segundo segue o neozelandês Hayden Paddon (Hyundai), a 17,1 segundos de Sebastien Ogier, e em terceiro está o norueguês Mads Ostberg (Ford Fiesta RS), a 42,3 segundos.

O segundo dia do rali da Suécia começou com Ogier a ser surpreendido pelos radares da polícia sueca em excesso de velocidade numa estrada pública, acontecimento que acabaria por não ter consequências.

Ogier lidera o campeonato do mundo depois de em janeiro se impor na primeira prova da temporada, o rali de Monte Carlo.

Este ano, o rali da Suécia tem apenas 13 especiais, ao contrário das 21 previstas inicialmente, em resultado da falta de neve na maior parte do percurso (o rali da Suécia é a única prova do Mundial que se realiza sobre neve e gelo).

Entre as etapas canceladas está a super especial de 1,9 quilómetros realizada no hipódromo de Karlstad, que tradicionalmente marca o início da prova e deveria ter-se realizado na quinta-feira.

A segunda prova do mundial de ralis teve assim início apenas sexta-feira, dia em que se realizaram seis das oito especiais previstas.

Hoje, dia em que se disputou a passagem pelo famoso Colin´s Crest, conhecido pelos enormes saltos e onde o francês Sebastien Ogier, campeão do mundo em título, tem um impressionante recorde de 41 metros, o número de especiais foi reduzido de oito para cinco.

Na última etapa da prova, a disputar no domingo, o rali passará apenas uma vez por Värmullsàsen e Lesjöfors, ao contrário das duas inicialmente previstas.

No total, apenas 240 dos 330 quilómetros cronometrados inicialmente previstos serão disputados.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.