sicnot

Perfil

Desporto

Carlos Queiroz pede demissão de selecionador do Irão

Carlos Queiroz apresentou a demissão de selecionador de futebol do Irão, considerando que "não estão reunidas as condições" para poder levar aquele país asiático ao próximo campeonato do mundo de futebol.

© TT News Agency / Reuters (Arquivo)

"Face à degradação das condições de trabalho existentes e ao incumprimento dos compromissos assumidos, o objetivo da qualificação está em risco", afirma Queiroz, na carta enviada ao presidente da federação de futebol iraniana, em que pede a rescisão amigável do contrato a 30 de abril próximo e à qual a agência Lusa teve acesso.

Até lá, tudo aponta para que o Irão ganhe o seu grupo da fase de qualificação asiática - comanda o grupo D com 14 pontos, seguido de Omã, que tem 11, única equipa que ainda o pode passar.

O treinador português ainda deverá orientar a equipa nas receções a Índia e Omã, a 24 e 29 de março.

Para chegar ao Mundial, o Irão ainda terá de passar por uma segunda fase de grupos, este ano.

"A minha responsabilidade, enquanto selecionador nacional iraniano (...), vai muito além do simples facto de treinar a equipa. Seria fácil para mim continuar (...), mas a minha consciência obriga-me a partir e a alertar os responsáveis", afirma ao treinador.

"Constato que a minha presença está a ser um entrave para que cheguem à Federação os recursos básicos necessários à preparação ideal da equipa, recursos esses que já tínhamos acordado serem condição para a continuidade do nosso projeto", acrecenta Queiroz, que acredita que a sua saída "ajudará a desbloquear esses recursos".

O técnico português, que "para evitar qualquer especulação" não fará mais declarações, está no cargo desde 2011. Apurou a seleção para o Mundial de 2014, no qual somou um empate com a Nigéria (0-0), uma derrota com a Argentina (1-0) e uma derrota com a Bósnia (3-1).

Lusa

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20