sicnot

Perfil

Desporto

Platini "feliz" com a forma como começou audição no Comité de Recurso da FIFA

O francês Michel Platini revelou-se esta segunda-feira "feliz" pela forma como decorreram as oito horas e meia de audiência perante o Comité de Recurso da FIFA, na sequência dos oito anos de suspensão de funções desportivas com que foi punido.

© Arnd Wiegmann / Reuters

"Foi uma boa audição, bem conduzida por pessoas sinceras e estou feliz com a maneira como decorreu. Agora vamos ver como vai ser", disse o suspenso presidente da UEFA.

Antes da audição, na sequência do recurso que apresentou à sua suspensão decretada a 21 de dezembro, acusado de "abuso de posição" e "conflito de interesses", disse que pretende "lutar contra uma injustiça".

Platini apresentou o presidente da organização do Euro2016, o também francês Jacques Lambert, e o presidente da federação espanhola e 'vice' da UEFA, Angel Maria Villar, como testemunhas do suposto contrato oral firmado com Joseph Blatter, responsável máximo da FIFA.

Platini e Blatter, presidentes das duas maiores instituições internacionais de futebol, foram suspensos pelo Comité de Ética da FIFA durante oito anos devido a um controverso pagamento, considerado ilegal, de 1,8 milhões de euros em 2011 por alegado trabalho de consultadoria realizado pelo francês nove anos antes, em 2002.

O pagamento em 2011 por serviços prestados em 2002 foi efetuado com base num contrato verbal, de acordo com Platini, um tipo de compromisso aceite na Suíça.

Hoje, a Comissão de Recurso da FIFA começou a analisar o recurso interposto por Michel Platini, que devido a esta suspensão se retirou da corrida à presidência da FIFA, devendo debruçar-se na terça-feira sobre o recurso apresentado por Joseph Blatter.

Lusa

  • As mulheres na clandestinidade durante o Estado Novo
    7:32

    País

    Não se sabe quantas mulheres portuguesas viveram na clandestinidade durante o Estado Novo, mas estiveram sempre lado a lado com os homens que trabalhavam para o Partido Comunista na luta contra a ditadura. Aceitavam serem separadas dos filhos e mudarem de identidade várias vezes ao longo dos anos. A história de algumas destas mulheres estão agora reunidas num livro que acaba de ser lançado.