sicnot

Perfil

Desporto

Belenenses "perplexo e indignado" pelo castigo ao treinador Julio Velázquez

O presidente da SAD do Belenenses manifestou-se esta terça-feira "perplexo e indignado" pelo castigo de 10 dias aplicado pelo Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol ao treinador Julio Velázquez pela expulsão frente ao Moreirense.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"É um sentimento de perplexidade e indignação. Não só por ter sido expulso no sábado, como surpreendidos pelo castigo. Esta suspensão não é coerente com tudo aquilo que temos assistido com outros treinadores na Liga", lamentou Rui Pedro Soares, em declarações à Lusa.

O técnico, expulso na partida da 22.ª jornada, que os 'azuis' venceram por 3-2, por palavras dirigidas ao árbitro, foi punido com base no artigo 136.º, da "lesão da honra e da reputação", e vai falhar o encontro com o Arouca, no domingo.

"É a primeira vez que foi expulso. Estou na minha quarta época como presidente do Belenenses e julgo que é a primeira vez que o nosso treinador é expulso. E logo uma suspensão que o impede de estar no banco domingo com o Arouca e com uma multa pesada", completou.

A direção dos lisboetas, que vai reunir quarta-feira, criticou a atuação do árbitro João Pinheiro: "Enganou-se quando marcou penalti contra nós logo no início do jogo. Depois na falta inexistente no segundo golo do Moreirense. Enganou-se no capítulo disciplinar e, pelos vistos, ter-se-á também engado no relatório".

O Belenenses é nono classificado na I Liga de futebol com 28 pontos, a quatro pontos do quinto lugar europeu, ocupado pelo Vitória de Guimarães, e com mais nove do que o penúltimo, que resulta em descida de divisão, no qual 'reside' a Académica.

Lusa

  • Treinador do Belenenses suspenso por 10 dias

    Desporto

    O treinador do Belenenses, o espanhol Júlio Velázquez, foi suspenso por 10 dias, depois de ter sido expulso frente ao Moreirense, anunciou esta terça-feira o Conselho de Arbitragem (CA) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

  • Troika nem sempre protegeu os mais vulneráveis, conclui avaliação do FMI

    Economia

    O organismo de avaliação independente do FMI concluiu que as medidas aplicadas pela troika em Portugal nem sempre protegeram as pessoas com menos rendimentos, apontando que a primeira preocupação do Fundo era a redução dos défices, apurou o gabinete independente de avaliação do Fundo Monetário Internacional (FMI),