sicnot

Perfil

Desporto

Telma Monteiro foi operada e deve parar três meses

Telma Monteiro, a judoca portuguesa mais medalhada de sempre, foi hoje operada ao ligamento lateral interno do joelho esquerdo, estando prevista uma paragem de três meses, segundo revelou o Benfica.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Kai Pfaffenbach / Reuters

"Telma Monteiro já sorri, após operação. Para três meses e mantém-se focada nos objetivos para 2016. Força, campeã", sublinhou o clube 'encarnado', da qual a judoca faz parte do projeto olímpico, na sua rede social Facebook.

A judoca, cinco vezes campeã europeia e quatro vice-campeã mundial, lesionou-se na última semana, no estágio dos judocas lusos por ocasião do Grand Slam de Paris, um dos torneios mais conceituados do mundo e que Telma venceu já em duas ocasiões.

"Vou ser operada a menos de seis meses dos Jogos Olímpicos. Fiquei triste. Mas depois, apesar de tudo, ainda encontrei motivos para agradecer", salientou a judoca na terça-feira, no mesmo dia em que o Benfica comunicou a necessidade de cirurgia.

Na sua carreira, Telma Monteiro já esteve em três Jogos Olímpicos, em Atenas2004 (9.ª classificada) e em Pequim2008 (9.ª) e em Londres2012 (17.ª), ficando sempre aquém do seu estatuto de topo na hierarquia mundial.

Aos 30 anos e quando já conquistou quase tudo, num palmarés em que tem também um triunfo num Masters -- competição que no final da época reúne os mais bem classificados -, Telma Monteiro continua a objetivar uma medalha nos Jogos do Rio de Janeiro.

Atualmente a judoca do Benfica é quarta classificada nos -57 kg no 'ranking' mundial, uma posição perfeitamente elegível para o Rio2016 e quando se apuram as 14 primeiras em cada categoria, com cada país a poder qualificar apenas uma atleta.

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.