sicnot

Perfil

Desporto

Leverkusen-Dortmund marcado por momento insólito do árbitro

O Borussia Dortmund manteve-se hoje na perseguição ao líder Bayern Munique, após vencer no terreno do Bayer Leverkusen, por 1-0. Mas o encontro da 22ª jornada do campeonato alemão de futebol destaca-se pela saída da equipa da arbitragem, a meio da partida.

O árbitro e o treinador do Leverkusen

O árbitro e o treinador do Leverkusen

© Ina Fassbender / Reuters

Depois do golo do gabonês Pierre-Emerick Aubameyang, aos 64 minutos, que acabou por garantir o triunfo aos forasteiros, o árbitro Felix Zwayer e os seus assistentes abandonaram o relvado, alegadamente devido ao excesso de protestos por parte dos jogadores e equipa técnica da formação da casa.

O tento do Borussia Dortmund nasceu de um livre marcado rapidamente, quando alguns jogadores do Bayer Leverkusen ainda contestavam uma decisão de Zwayer.

Os protestos continuaram após os festejos dos forasteiros e, depois de expulsar o treinador Roger Schmidt, que se terá recusado a abandonar o banco, a equipa de arbitragem regressou subitamente aos balneários e o encontro esteve interrompido durante mais de 10 minutos.

O Dortmund, adversário do FC Porto na Liga Europa, acabou por confirmar o triunfo e manteve-se na segunda posição, a oito pontos do Bayern Munique, primeiro.

Por seu lado, o Bayer, rival do Sporting também na Liga Europa, caiu para já para o quarto lugar e depois mesmo terminar a ronda em quinto, caso o Schalke 04 vença na receção ao Estugarda.

Com Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.