sicnot

Perfil

Desporto

Jorge Ferreira criticado pela arbitragem no jogo Paços de Ferreira-Benfica

O FC Porto e Bruno de Carvalho insurgiram-se contra a arbitragem de Jorge Ferreira no jogo Paços de Ferreira - Benfica.

Jorge Simão, treinador do Paços de Ferreira.

Jorge Simão, treinador do Paços de Ferreira.

FERNANDO VELUDO/LUSA

Na newsletter Dragões Diário de hoje, o FC Porto critica o árbitro de Fafe pela grande penalidade marcada no lance com Jonas.

No texto, Jorge Ferreira é acusado de assinalar mal vários penáltis a favor do Benfica e que o juiz tem "um fraquinho daqueles assolapados por um clube".

Na newsletter oficial pode ainda ler-se uma crítica a Vitor Pereira, presidente do Conselho de Arbitragem, por insistir na nomeação de Jorge Ferreira para jogos do Benfica.

Também o presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, voltou a recorrer ao Facebook para criticar a arbitragem, onde destacou os dois penáltis assinalados nos jogos do Benfica e FC Porto, considerando-os "saltos para a água".

  • Treinadores do Benfica e do Paços em desacordo quanto ao penalti
    1:23

    Desporto

    O treinador do Paços de Ferreira, Jorge Simão, diz que o penalti assinalado a favor do Benfica não existiu. Rui Vitória não concorda, o técnico do Benfica afirma que a falta existiu e destaca a justiça do resultado. O Benfica subiu provisoriamente à liderança da Primeira Liga, ao vencer, este sábado, o Paços de Ferreira, por 3-1.

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.