sicnot

Perfil

Desporto

Luís Figo diz que "Finalmente a mudança chegou" à FIFA

Luís Figo, ex-candidato à presidência da FIFA, considerou hoje que "finalmente a mudança chegou" ao organismo com a eleição do ítalo-suíço Gianni Infantino para substituir Joseph Blatter na presidência.

© Andrea Comas / Reuters

"Felicidades Gianni. Finalmente a mudança chegou. Este é o momento de uma nova era para a FIFA", disse, no twitter, o português que foi candidato às eleições de 29 de maio 2015, mas que se retirou por entender que não estavam reunidas as condições de democraticidade e transparência.

Os presidentes da federação e da Liga de clubes, Fernando Gomes e Pedro Proença, respetivamente, já se tinham congratulado com o resultado das eleições que deram 115 votos ao secretário-geral da UEFA, que ficou à frente do xeque Salman bin Ebrahim al-Khalifa (88) e do príncipe jordano Ali bin al Hussein (quatro), enquanto o francês Jérôme Champagne não recolheu qualquer voto.

Entre outras reações, o francês François Carrard, presidente da comissão de reformas da FIFA e antigo diretor do Comité Olímpico Internacional, lembra que Infantino "trabalhou duro" e sempre defendeu as "reformas mais agressivas" no pelouro que dirige, recordando-lhe agora que "há muito pela frente" na missão de renovar o organismo.

Javier Tebas, presidente da Liga espanhola, desejou-lhe sorte e trabalho "para colocar um fim à corrupção política e económica no futebol".

Greg Dyke, presidente da federação inglesa, recordou que Infantino "não é um político nem uma superestrela, apenas muito organizado, tendo liderado muito bem a UEFA, pelo que será grande presidente da FIFA".

"Acho que podemos estar otimistas quanto ao futuro da FIFA depois de um ano terrível. A FIFA foi uma organização corrupta durante longo tempo, mas agora há uma esperança para o futuro", complementou.

O presidente da federação francesa, Noel le Graet, fala em "nova marca de governança e nova era" para a FIFA, esperançado que o futebol em si passe a ser o centro das suas preocupações e atenção.

"Gianni é o homem para o trabalho. Ele é um homem de ação, que foi capaz de conciliar os interesses de todas as federações, grandes ou pequenas, dentro da UEFA. Tem todo o nosso apoio para proceder à renovação da FIFA", completou.

Do Canadá, Victor Montagliani elogiou a capacidade de gerir os diversos dossiers do futebol e de Infantino falar cinco línguas, manifestando ainda o desejo de que a renovação do futebol não se resuma à FIFA, mas também às diversas confederações continentais.

"As coisas vão mudar. Há uma nova geração de dirigentes e impera a democracia, como o prova os quatro candidatos às eleições. Democracia e transparência é melhor para todos", ajuntou.

Praful Patel espera que o novo presidente ajude o futebol a tornar-se um "grande sucesso" na India, cuja federação dirige.

Infantino é o nono presidente da história da FIFA, sucedendo a Blatter, que, após 17 anos no cargo, deixou a liderança na sequência de um escândalo de corrupção, acabando mesmo por ser suspenso por seis anos.

Lusa

  • Jovem que morreu numa estância de esqui em Espanha sofreu um aneurisma
    1:26
  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira