sicnot

Perfil

Desporto

Luís Filipe Vieira quer Slimani no dérbi

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, apelou hoje ao Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa que se tiver de castigar o jogador do Sporting Slimani o faça depois do dérbi de sábado entre as duas equipas.

"A justiça deve ser célere. Deve castigar ou ilibar, mas deve ser célere. Aquilo que espero é que nenhum jogador seja impedido de jogar contra nós. Castiguem se o tiverem de fazer, mas depois do nosso jogo", afirmou o dirigente 'encarnado' no discurso de abertura dos Galardões Cosme Damião, iniciativa que assinala o 112.º aniversário do clube lisboeta.

No seu discurso, Luís Filipe Vieira criticou aqueles que "fazem tudo para criar divisões no futebol português e que se pode aceitar esses comportamentos ou então rejeitar".

"Podemos continuar a aceitar aqueles que fazem da divisão, do conflito, da intimidação o seu modo de vida, e achar que o futebol português pode sobreviver a isso. Ou, então, temos de rejeitar tudo isto e exigir comportamentos orientados pela ética e pela responsabilidade", afirmou para uma plateia onde estava presente o presidente da Liga de clubes, Pedro Proença.

Durante a sua intervenção, o presidente do Benfica elogiou a história do clube, mas também o presente, sublinhando que a equipa 'encarnada' é hoje uma "referência europeia".

"Somos admirados a nível internacional. A união e a estabilidade que conseguimos ter nos últimos anos permitiu-nos voltar a ser um clube global", realçou.

O Benfica vai defrontar o Sporting, em Alvalade, no sábado, em jogo da 25.ª jornada da I Liga.

Antes disso, na segunda-feira, as 'águias' defrontam em casa o União da Madeira a partir das 19:45, um jogo que deveria ter sido disputado hoje, mas que foi adiado.

Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalaram-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.