sicnot

Perfil

Desporto

Sporting alega que Slimani nunca poderá falhar dérbi por processo sumário

O Sporting disse hoje, em comunicado, que Slimani nunca poderá ser castigado antes do dérbi com o Benfica, alegando que uma possível decisão do processo sumário de que é alvo o futebolista argelino é passível de recurso.

© Rafael Marchante / Reuters

Slimani foi alvo de um processo disciplinar na sequência de uma alegada agressão ao grego Samaris, no encontro com o Benfica para a Taça de Portugal, a 21 de novembro de 2015. No domingo, o presidente dos 'encarnados', Luís Filipe Vieira, pediu que nenhum jogador do Sporting fosse castigado em vésperas do dérbi da 25.ª jornada da I Liga, no sábado.

O Sporting defende que os regulamentos impedem que o jogador seja castigado antes do dérbi, porque mesmo que o clube fosse notificado pelo Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol esta semana, a suspensão nunca entraria em vigor antes de passarem os cinco dias disponíveis para recorrer.

"A decisão disciplinar condenatória que admita recurso com efeito suspensivo -- como será o caso -- não é executória enquanto o prazo para a sua interposição não tiver decorrido (nem, uma vez interposto, enquanto ainda não estiver decidido). Isto significa que mesmo que o Sporting fosse notificado da decisão condenatória na véspera do jogo, não tinha de interpor recurso para suspender a decisão: ela estava automaticamente suspensa enquanto o prazo para recorrer (que é de cinco dias) ainda não tivesse decorrido", lê-se no comunicado.

Os 'leões' dizem ainda que estes factos com relevância jurídica não podem "ser do desconhecimento do presidente do SLB que preferiu, sob a capa de uma aparente preocupação súbita com o 'fair-play', usar um discurso que pode mistificar os menos esclarecidos".

"Acresce que esta súbita benevolência do presidente do Benfica já seria de estranhar, mesmo sem a argumentação jurídica que a desmascara, quando se recordasse que foi o Benfica quem iniciou este processo contra o jogador Islam Slimani", refere o clube 'leonino'.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.