sicnot

Perfil

Desporto

França investiga suspeitas de corrupção na atribuição de Jogos Olímpicos

A Justiça francesa está a investigar desde dezembro suspeitas de corrupção na atribuição dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016 e de Tóquio em 2020, confirmou hoje fonte judicial, citada pela agência France Presse.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Alexander Demianchuk / Reuters

O inquérito está a ser conduzido pela Procuradoria Nacional Financeira, que integra o Ministério Público francês e é encarregado da investigação de crimes económicos em França.

"Tratam-se nesta fase de verificações" para averiguar se foram cometidas infrações, indicou a mesma fonte.

A investigação decorre de outra, iniciada em novembro, por suspeitas de corrupção, aberta ao antigo presidente da Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF) Lamine Diack.

De acordo com a agência de notícias francesa, que cita o jornal britânico The Guardian, os investigadores suspeitam que Diack, também membro do Comité Olímpico Internacional (COI) de 1999 a 2013, tenha servido de intermediário juntamente com o seu filho, Papa Massata Diack, para favorecer cidades candidatas à organização dos Jogos Olímpicos.

Lamine Diack foi acusado de corrupção, lavagem de dinheiro e conspiração.

O seu filho, antigo conselheiro de marketing da IAAF, irradiado pela Comissão de Ética da federação, é objeto de um mandado de prisão internacional da Interpol.

O antigo patrão da IAAF, que num primeiro momento apoiou Istambul para acolher os Jogos Olímpicos de 2020, terá mudado de opinião depois de a organização que tutela o atletismo mundial ter assinado um contrato vultuoso com um patrocinador japonês.

A atribuição dos Jogos Olímpicos ao Rio de Janeiro deste ano foi decidida em 2009 e a escolha de Tóquio foi anunciada em 2013.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.