sicnot

Perfil

Desporto

Bruno de Carvalho quer uma academia do Sporting em cada ilha de Cabo Verde

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, traçou hoje como objetivo para Cabo Verde a abertura, "com a maior rapidez possível", de uma academia dos 'leões' em cada ilha do arquipélago africano.

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting.

Bruno de Carvalho, presidente do Sporting.

Andr\303\251 Kosters

"Aquilo que queremos fazer, com a maior rapidez possível, é ter uma escola em cada uma das ilhas de Cabo Verde. Queremos ser um elemento que ajude, por intermédio do Sporting Clube da Praia, esta vontade e investimento muito grandes que Cabo Verde tem feito na sua formação", garantiu Bruno de Carvalho.

O presidente leonino falava na cidade da Praia após inaugurar o primeiro polo das Academias do Sporting em Cabo Verde e de assinar um protocolo com o Sporting da Praia.

Segundo o dirigente, o protocolo abrange tudo aquilo que tem a ver com o universo do futebol, nomeadamente formação de treinadores, de dirigentes, medicina desportiva, marketing, e também outros desportos como atletismo e andebol.

"tudo aquilo que tem a ver com o negócio futebol, estamos aqui como parceiro, quer por intermédio do Sporting da Praia, quer da Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF)", disse Bruno de Carvalho, que quer ainda colaborar com o Governo e com os municípios.

"O Sporting de Portugal vai ter em Cabo Verde um interlocutor por excelência, que é o Sporting da Praia, que é a nossa filial há 92 anos, e aquilo que vamos fazer é ajudar no desenvolvimento do desporto, começando e dando este passo hoje a nível do futebol", prosseguiu.

Além da cidade da Praia, a academia do Sporting terá já outro polo na ilha de São Vicente.

Questionado sobre se o protocolo contempla apoio financeiro, Bruno de Carvalho disse é muito mais importante "será desenvolver o futebol em Cabo Verde (...) do que fazer mensuração em dinheiro", ressalvou.

Bruno de Carvalho sublinhou a dimensão o clube de Alvalade, "que tem filiais em todo o mundo há mais de 90 anos", adiantando que o Sporting "quer ter a vocação de estar perto, de estar presente e de participar naquilo que é o ADN do clube: a formação".

"Visto sermos o clube mais eclético do mundo, com 35 modalidades, mais nove adaptadas, podermos também contribuir para o desenvolvimento do desporto em termos gerais", sustentou, dizendo que, além de expandir a marca, o Sporting quer desenvolver o desporto.

O presidente do Sporting não descarta também a possibilidade de jogadores cabo-verdianos virem a atuar no clube e lembrou que o clube já teve e tem vários atletas cabo-verdianos e de origem, como o Gelson Martins, Ruben Semedo, Heldon ou Nani.

"Não tenho dúvida nenhuma de que, trabalhando com rigor, o Sporting não fornece apenas a sua marca, o seu logo ou estar presente. Cada academia tem intervenção direta do Sporting, que, com o talento que há em Cabo Verde, mais cedo ou mais tarde haverá mais jogadores de Cabo Verde a jogar em Portugal e no Sporting", disse.

Depois de assinar o protocolo numa sala cheia de dirigentes, jogadores e treinadores, Bruno de Carvalho assistiu a um treino da Academia Sporting, que por agora vai funcionar nos centros de Estádio da FCF, na Praia e no Mindelo, ilha de São Vicente.

O presidente leonino cumpre hoje o segundo de três dias de visita a Cabo Verde. Amanhã, além de visitas oficiais, inaugura uma rua e um largo do Sporting na cidade da Praia.

Lusa

  • Zeca Afonso morreu há 30 anos
    1:11
  • Luz ultravioleta converte dióxido de carbono em metano

    Mundo

    Investigadores da Universidade Duke, nos Estados Unidos, criaram nanopartículas (partículas microscópicas) que ajudam a converter o dióxido de carbono (gás poluente) em metano (combustível) usando apenas luz ultravioleta como fonte de energia.

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira