sicnot

Perfil

Desporto

Ex-presidente da Federação de Futebol da Guatemala extraditado para os EUA

O antigo presidente da Federação de Futebol da Guatemala, Brayan Jimenez, implicado no escândalo da FIFA, foi extraditado para os Estados Unidos, onde é suspeito de corrupção, anunciou o Governo da Guatemala na terça-feira.

© Handout . / Reuters

Jimenez, de 61 anos, foi transportado num avião comercial a partir do aeroporto internacional La Aurora, na capital guatemalteca, precisou o ministro dos Negócios Estrangeiros.

Jimenez foi detido a 12 de janeiro num apartamento na periferia da capital, estando em fuga desde 03 de dezembro, dia em que a justiça norte-americana ordenou a sua extradição.

Antigo membro da comissão para o 'fair-play' e responsabilidade social da FIFA, Jimenez, juntamente com outros 15 dirigentes latino-americanos, está implicado na investigação ao escândalo de corrupção que tem abalado a FIFA desde o ano passado.

Lusa

  • Rui Vitória não espera facilidades frente ao Tondela
    1:34

    Desporto

    O líder do campeonato, o Benfica, recebe este domingo o último classificado, o Tondela. Na conferência de antevisão do encontro, Rui Vitória afirmou que não espera facilidades. O treinador do Benfica falou ainda de Sebastian Coates.

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.