sicnot

Perfil

Desporto

PAOK ameaça não jogar segunda mão da meia-final da Taça da Grécia

O presidente do PAOK ameaçou hoje não jogar a segunda mão da meia-final da Taça da Grécia contra o Olympiacos, caso o jogo da primeira mão não seja repetido e arbitrado por um estrangeiro.

Thanassis Stavrakis

"O jogo deve ser repetido com um árbitro estrangeiro. Não iremos jogar a segunda mão em Atenas, independentemente da sanção que daí resultar", afirmou Ivan Savvidis numa entrevista a uma televisão grega.

O jogo da meia-final Taça da Grécia em futebol entre o PAOK e o Olympiacos, treinado pelo português Marco Silva, foi hoje suspenso após confrontos e uma invasão de campo por adeptos da equipa da casa.

Com o campeão em título a vencer por 2-1 aos 89 minutos, o árbitro da partida, Andreas Pappas, ordenou a suspensão do encontro e a recolha das equipas aos balneários no momento em que adeptos do PAOK começaram a entrar em campo e a arremessar engenhos pirotécnicos e bombas de fumo a partir das bancadas.

"Diante de um estádio com 30 mil espectadores, esta gente não receou Deus ou o diabo. Arbitragens que provocam violência deviam ser criminalizadas", afirmou irado.

Criticando duramente a arbitragem de Andreas Pappas, o empresário greco-russo afirmou: "deviam ser nomeados árbitros estrangeiros para estes jogos. Se a federação não tem dinheiro, o PAOK suporta os custos. Pela primeira vez na minha vida sinto-me envergonhado por me ter associado ao futebol grego".

O PAOK queixa-se de um penalti não assinalado a seu favor, após o que se registou a invasão de campo e o arremesso de engenhos pirotécnicos.

Antes do início da partida, as forças policiais já tinham sido forçadas a intervir em confrontos com adeptos do PAOK fora do estádio, de que resultaram três detidos.

Durante a partida, Marco Silva foi atingido na nuca por um copo de plástico cheio de água.

O Olympiacos, que se sagrou no domingo, à 24.ª jornada da Liga grega, campeão grego de futebol pela sexta vez consecutiva, deverá agora ser declarado vencedor da partida por 3-0, enfrentando o PAOK a possibilidade de uma multa pesada e a possibilidade de disputar alguns jogos à porta fechada.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.