sicnot

Perfil

Desporto

Rio Ave e Sp. Braga decidem presença na final da Taça

O Rio Ave e o Sporting de Braga decidem hoje, pelo terceiro ano consecutivo, qual dos dois marcará presença na final da Taça de Portugal de futebol, em jogo da segunda mão das meias-finais da prova.

PAULO CUNHA/LUSA

Enquanto em Vila do Conde a incerteza impera, no estádio do Dragão, o FC Porto cumpre uma formalidade, uma vez que recebe o Gil Vicente, único emblema da II Liga ainda em prova, com uma confortável vantagem de 3-0 trazida da primeira mão.

Para o embate com o Rio Ave, o Sporting de Braga surge com uma vantagem de um golo, beneficiando do triunfo (1-0) alcançado em Braga na primeira mão, tento de Pedro Santos, na conversão de uma grande penalidade.

Este confronto entre as duas equipas está já a revelar-se um 'clássico', já que é a terceira vez consecutiva que se defrontam nesta fase da prova.

Na época de 2013/2014, os vila-condenses afastaram os bracarenses, tendo perdido na final com o Benfica, enquanto, na época seguinte, os 'arsenalistas' eliminaram o Rio Ave, perdendo no encontro decisivo com o Sporting.

No Dragão, o Gil Vicente tem uma autêntica 'montanha' para escalar, depois de ter perdido na primeira mão, em Barcelos, por 3-0.

Os 'dragões', que no seu palmarés contam com 16 taças de Portugal, estão bem encaminhados para a 29.ª final da sua história, depois de terem vencido em Barcelos com golos de Rúben Neves, Suk e Sérgio Oliveira.

O jogo entre Rio Ave e Sporting de Braga está agendado para as 19:00, no Estádio dos Arcos, em Vila do Conde, com arbitragem de Sérgio Piscarreta, da Associação do Algarve, e a receção do FC Porto ao Gil Vicente para as 21:00, com arbitragem de Nuno Almeida, da Associação do Algarve.

Lusa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Segunda-feira no Jornal da Noite