sicnot

Perfil

Desporto

Pinto da Costa reeleito e Antero Henrique na administração da SAD do FC Porto

A Assembleia Geral da FC Porto SAD reelegeu esta quinta-feira Pinto da Costa para a presidência do Conselho de Administração, que passa a contar com a presença de Antero Henrique, anterior diretor-geral, anunciou a sociedade gestora do futebol profissional do clube.

(Arquivo)

(Arquivo)

Paulo Duarte / AP

Em comunicado enviado da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a SAD dá conta de que a administração passa a ter sete elementos, em vez de cinco. Além do homem-forte do futebol nos últimos anos, entra José Américo Amorim, com funções não executivas, com o mesmo estatuto de Rui Vieira de Sá, mantendo-se como executivos Fernando Gomes, Adelino Caldeira e Reinaldo Teles.

O órgão magno da SAD portista reconduziu, todas com 99 por cento de votos favoráveis, as restantes presidências: Matos Fernandes (Assembleia Geral), Paulo Sá Fernandes (Conselho Fiscal) e Alípio Dias (Comissão de Vencimentos e Conselho Consultivo).

Entre os vários nomes dos órgãos que constituem a sociedade desportiva, destaque para a entrada de Emídio Gomes (presidente da Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Norte - CCDRN) para membro da Comissão de Vencimentos, e do bispo do Porto, António Francisco dos Santos, para vogal do Conselho Consultivo.

Segundo o comunicado enviado à CMVM, esteve representado 83,78 por cento do capital social da Futebol Clube do Porto - Futebol SAD.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15