sicnot

Perfil

Desporto

Investigação diz que não há provas claras de corrupção na atribuição do Mundial2006

O relatório da empresa que investigou a atribuição do Mundial2006 à Alemanha, encomendado pela Federação Alemã de Futebol (DFB) e apresentado hoje, conclui que não existe qualquer prova concreta de 'compra' de votos no processo.

© Reuters Staff / Reuters

"Não encontrámos nenhuma prova de 'compra' de votos, embora não possamos excluir essa hipótese", disse Christian Duve, representante do gabinete de advogados que elaborou o relatório.

Duve acrescentou que foi detetada "uma eventual mudança de comportamento na votação, que poderá implicar representantes asiáticos do comité executivo da FIFA".

No início de fevereiro, a DFB reclamou 6,7 milhões de euros a Fedor Radmann, antigo vice-presidente do organismo e um dos responsáveis do Comité Organizador do Mundial2006.

A DFB alega que essa verba foi transferida em 2000 pelo Comité Organizador para a FIFA e que nunca foi "devidamente justificada" nas contas do organismo.

Tanto Franz Beckenbauer, presidente do Comité Organizador, como Wolfgang Niersbach, antigo líder da Federação e que se demitiu após o escândalo vindo a público em outubro, negaram qualquer envolvimento na transferência dessa verba.

Lusa

  • Curiosidades sobre o Mundial da Rússia
    3:08
  • Inocência e talento marcaram o 9.º dia de Mundial
    0:56
  • Ronaldo no País dos Sovietes: Algumas curiosidades
    1:54
  • O choro intenso de Neymar explicado pelo próprio
    0:51
  • A queda aparatosa do selecionador do Brasil
    0:05
  • Dia de limpezas em Chaves após violenta tempestade
    2:44
  • Athanasia, uma mulher sem medo das alturas
    0:35

    Mundo

    É grega, chama-se Athanasia Athineau, tem 29 anos e pertence à unidade de forças especiais da Grécia. O salto que podemos ver é de 10 mil pés, mas Athanasia faz também saltos de 30 mil. Neste caso, caíu a uma velocidade de 250 quilómetros por hora antes de abrir o pára-quedas.

  • Talheres de Hitler vendidos por 14 mil euros

    Mundo

    Um conjunto de duas facas, três colheres e três garfos de prata, que pertencia a Adolf Hitler, foi vendido em Dorset, Inglaterra, pelo valor de 12.500 libras (aproximadamente 14.200 euros). O serviço de talheres foi criado no âmbito das celebrações do 50.º aniversário do ditador nazi.

    SIC