sicnot

Perfil

Desporto

Agência Mundial Antidopagem consternada pela falha da Rússia em travar uso de doping

A Agência Mundial Antidopagem (AMA) tornou pública hoje a sua consternação após a reportagem da televisão alemã ARD, em que é denunciada a continuidade de um sistema que estimula o doping no atletismo da Rússia.

1999 - É oficialmente fundada a Agência Mundial Antidopagem (AMA). Richard Pound é eleito presidente.

1999 - É oficialmente fundada a Agência Mundial Antidopagem (AMA). Richard Pound é eleito presidente.

© Lee Jae Won / Reuters

A agência refere que os seus dirigentes assistiram ao documentário e que estão "consternados pelas revelações", tratando de "um momento em que a confiança no desporto está muito delicada".

"Estas inquietantes afirmações fazem pouco para reforçar a confiança no sistema russo antidopagem quando os atletas limpos mais necessitam dele", afirma o presidente da AMA, o britânico Craig Reedie, na nota difundida.

Segundo o dirigente, "as acusações sugerem que, todavia, há muito trabalho para fazer na Rússia" e que a AMA vai necessitar de "cooperação plena e constante das autoridades russas para reverter os danos".

"Até que isso suceda, os atletas limpos não poderão confiar na existência de igualdade de condições", acrescenta.

Uma nova reportagem da Primeira Cadeia de Televisão Alemã (ARD) denunciou domingo a sobrevivência de um sistema no atletismo russo e que, segundo os autores do trabalho, torna difícil o levantamento da suspensão que pesa sobre aquele país, relativo à participação em competições internacionais.

Segundo o documentário, continuam a trabalhar treinadores suspensos pela Federação Internacional de Atletismo (IAFF) e que há permissividade do lado das autoridades desportivas locais relativamente aos atletas que usam substâncias ilegais.

A reportagem revela que Vladimir Mokhev, um dos treinadores suspensos, dirige atualmente um grupo de atletas na cidade de Gupkin, perto da fronteira ucraniana.

Pode ver-se ainda uma gravação em que o técnico Juri Gorejev oferece a um informador, que se lhe apresenta como atleta, algumas substâncias proibidas.

Num outro apontamento do documentário, uma atleta e a chefe da agência russa antidopagem, Julia Anzeliowitsch, combinam o melhor momento para entregar uma amostra num controlo, o que contraria os procedimentos que contemplam controlos sem aviso prévio.

A morte do ex-diretor da agência antidopagem russa, Nikita Kamayev, que escreveu um livro a denunciar o sistema de dopagem no seu país, que também ajudou a criar, é também aflorado na reportagem, nomeadamente os resultados da sua autópsia: "Oficialmente, foi paragem cardíaca, mas nem todos creem que foi uma morte natural".

Este trabalho jornalístico dá continuidade ao que denunciou o uso sistemático de doping no atletismo russo e que originou uma investigação da AMA, culminando com o impedimento dos atletas russos nas competições internacionais.

Essa suspensão estava dependente das reformas que os russos implementassem no sentido de abolir a utilização sistemática de substâncias proibidas.

Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.