sicnot

Perfil

Desporto

Joseph Blatter tenta "limpar o nome" no Tribunal Arbitral do Desporto

Joseph Blatter deixou para segundo plano o 80º aniversário, que comemora na quinta-feira, pois a prioridade é "limpar o nome" perante o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

© Hannibal Hanschke / Reuters

"Não se pode deixar as coisas como estão. A verdade deve ser dita e justiça feita para aqueles que a têm do seu lado", disse o ex-presidente da FIFA à agência suíça SID, adiantando que está "a preparar o recurso ao TAS da suspensão".

Após a deliberação do Tribunal Arbitral do Desporto, nos próximos meses, Blatter espera que a sua proibição de seis anos para todas as atividades ligadas ao futebol "seja levantada".

Terminado o seu mandato à frente da FIFA, cargo que ocupou durante 18 anos, o suíço foi substituído por Gianni Infantino.

Em outubro, Blatter e o presidente da UEFA, Michel Platini, foram suspensos dos seus cargos depois de provado ter havido um pagamento de 1,8 milhões de euros da FIFA a Platini.

"O futebol é muito importante para mim. Quando alguém passou 41 anos da sua vida no futebol, não pode simplesmente abandoná-lo", acrescentou Blatter, que espera que o processo que o liga a corrupção na FIFA esteja "resolvido em dois meses".

O suíço reiterou que não foi acusado "de ter feito algo errado com o dinheiro" e defendeu que irá "ver futebol e aceitar convites" que lhe sejam feitos logo que o seu nome esteja 'limpo'.

Depois de afastado das suas funções na FIFA, Blatter manifestou-se pronto para responder às perguntas da investigação judicial que está em curso na Suíça e Alemanha sobre a nomeação do país organizador do Mundial2006 e possíveis pagamentos ilícitos entre organismos.

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • CDS avança com moção de censura ao Governo

    País

    A líder do CDS anunciou hoje que o partido vai apresentar uma moção de censura ao Governo, na sequência dos incêndios que fizeram 37 mortos desde domingo, quatro meses depois da tragédia de Pedrógão Grande.

    Em atualização

  • O mapa das vítimas dos incêndios
    1:19

    País

    Aumentou para 37 o número de mortes na sequência dos fogos que assolaram a zona Centro do país desde o fim de semana. Feridos são pelo menos 71. Atualizamos aqui o mapa, segundo o último balanço da Proteção Civil.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Homem morreu ao tentar salvar animais das chamas
    2:30
  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • Há uma semana que as florestas ardem na Califórnia
    1:34