sicnot

Perfil

Desporto

Carl Lewis considera "patéticos" atuais desempenho no salto em comprimento

O antigo atleta Carl Lewis, quatro vezes campeão olímpico do salto em comprimento, afirmou hoje que os padrões da especialidade são dos mais baixos de sempre e descreveu como "patético" o desempenho do atual campeão mundial, Greg Rutherford.

© John Kuntz / Reuters

Em conversa com os repórteres à margem do encontro da seleção olímpica, em Los Angeles, Estados Unidos, Lewis fez uma avaliação pessimista do estado do salto em comprimento moderno, considerando-o como "um desporto moribundo".

O antigo saltador, com 54 anos de idade, reservou para a especialidade que o consagrou entre 1984 e 1996, com quatro medalhas olímpicas (ganhou nove, contando com outras modalidades), as mais duras palavras: "O salto em comprimento é o pior evento do mundo, é horrível, atualmente".

"Jesse Owens teria sido terceiro classificado nos últimos Jogos, em Londres, já que a sua melhor marca, conseguida há 80 anos, seria suficientemente boa para isso", disse Carl Lewis.

O norte-americano acusou os atletas de topo do salto em comprimento de não se empenharam o suficiente para ultrapassar um recorde já com 25 anos, conseguido por Mike Powel, em 1991, de 8,95 metros.

E deu o exemplo do britânico Greg Rutherford, que foi medalha de ouro em Londres2012, com a marca de 8,31 metros, abaixo do recorde do mundo: "Alguém quer ir ver saltar só isso?"

"Eles não sabem saltar e nem sequer o estão a tentar fazer melhor porque ganham medalhas, de qualquer forma", afirmou.

E acrescentou: "Eu e o Mike Powel saltávamos quase aos nove metros com regularidade. Mas esta geração? Rutherford? Peço desculpa, mas é patético"

"Estão a brincar comigo? Ele ganha, faz o seu melhor, mas não devia ganhar assim", concluiu.

Lusa

  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões destes animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • Lembra-se dos olharapos da Expo'98? Estão de volta
    1:46