sicnot

Perfil

Desporto

Carl Lewis considera "patéticos" atuais desempenho no salto em comprimento

O antigo atleta Carl Lewis, quatro vezes campeão olímpico do salto em comprimento, afirmou hoje que os padrões da especialidade são dos mais baixos de sempre e descreveu como "patético" o desempenho do atual campeão mundial, Greg Rutherford.

© John Kuntz / Reuters

Em conversa com os repórteres à margem do encontro da seleção olímpica, em Los Angeles, Estados Unidos, Lewis fez uma avaliação pessimista do estado do salto em comprimento moderno, considerando-o como "um desporto moribundo".

O antigo saltador, com 54 anos de idade, reservou para a especialidade que o consagrou entre 1984 e 1996, com quatro medalhas olímpicas (ganhou nove, contando com outras modalidades), as mais duras palavras: "O salto em comprimento é o pior evento do mundo, é horrível, atualmente".

"Jesse Owens teria sido terceiro classificado nos últimos Jogos, em Londres, já que a sua melhor marca, conseguida há 80 anos, seria suficientemente boa para isso", disse Carl Lewis.

O norte-americano acusou os atletas de topo do salto em comprimento de não se empenharam o suficiente para ultrapassar um recorde já com 25 anos, conseguido por Mike Powel, em 1991, de 8,95 metros.

E deu o exemplo do britânico Greg Rutherford, que foi medalha de ouro em Londres2012, com a marca de 8,31 metros, abaixo do recorde do mundo: "Alguém quer ir ver saltar só isso?"

"Eles não sabem saltar e nem sequer o estão a tentar fazer melhor porque ganham medalhas, de qualquer forma", afirmou.

E acrescentou: "Eu e o Mike Powel saltávamos quase aos nove metros com regularidade. Mas esta geração? Rutherford? Peço desculpa, mas é patético"

"Estão a brincar comigo? Ele ganha, faz o seu melhor, mas não devia ganhar assim", concluiu.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Hotel inovador na Madeira
    2:23

    Economia

    O grupo Pestana está a construir no Funchal, um novo e único hotel, através de uma técnica inovadora que quase não utiliza cimento. Este vai ser o primeiro hotel do mundo construído com um sistema modular desenvolvido em Portugal. O hotel vai ter 77 quartos e vai ficar construído em apenas seis meses. O maior grupo hoteleiro português admite recorrer a este novo sistema em futuros hotéis.

  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.