sicnot

Perfil

Desporto

Ex-presidente da federação venezuelana declara-se inocente

Rafael Esquivel, ex-presidente da Federação Venezuelana de Futebol e um dos suspeitos no processo que investiga casos de corrupção na FIFA, declarou-se hoje inocente perante um juiz de Nova Iorque.

Leslie Mazoch

Também antigo vice-presidente da Confederação Sul-americana de Futebol (Conmebol) Rafael Esquivel é suspeito de ter recebido 'luvas' de vários milhões de dólares na atribuição dos direitos de 'marketing' da Copa América.

Detido em Zurique, na Suíça, a 27 de maio do ano passado, com outros seis dirigentes, Rafael Esquivel foi extraditado na segunda-feira para os Estados Unidos, país que lidera a investigação, e foi ouvido no dia seguinte por um juiz.

Numa curta audiência, que durou menos de cinco minutos, Esquivel declarou-se inocente de todas as suspeitas de corrupção e branqueamento de capitais.

O advogado de Esquivel não solicitou a liberdade condicional para o seu cliente, alegando que ainda era "muito cedo", sendo provável que o faça na próxima audiência, a 13 de abril

A FIFA foi abalada por um escândalo de corrupção em maio de 2015, num processo aberto pela justiça dos Estados Unidos, que levou à acusação de 14 dirigentes e ex-dirigentes.

Lusa

  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.