sicnot

Perfil

Desporto

França prepara resposta a eventuais atentados durante o Europeu de futebol

A França está a testar respostas a hipotéticos atentados nas dez cidades que vão acolher jogos do Euro2016 de futebol, que antecipam ataques a espaços públicos, como tiroteios e lançamento de bombas a partir de drones.

© Benoit Tessier / Reuters

Os testes, que envolvem forças policiais e bombeiros, são uma resposta aos receios de ataques terroristas, agravados depois dos atentados de 13 de novembro, em Paris, que causaram a 130 mortos e centenas de feridos.

O Stade de France, que a 10 de julho vai ser palco da final do Euro2016, competição na qual Portugal marcará presença, foi um dos alvos dos atentados de novembro.

Os testes arrancaram há cerca de um mês e têm, segundo as autoridades, "decorrido com a máxima discrição".

Algumas das simulações levadas a cabo, incluíram um drone carregado com uma bomba química, que sobrevoou o estádio Aliianz Riviera, em Nice, um ataque com gases tóxicos em Saint-Étienne, e tiroteios nas estações de comboios de Bordéus e Marselha.

Outros dos cenários suscetíveis de ataques são as fan zone, zonas de concentração de adeptos.

Recentemente, o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneucce, admitiu que a "ameaça terrorista no país nunca foi tão elevada".

Portugal vai disputar a fase final do Euro2016, que se inicia a 10 de junho, integrado no Grupo F, juntamente com Islândia, Hungria e Áustria.

Lusa

  • Organização do Euro 2016 recusa ideia de jogos à porta fechada por segurança
    1:14

    Desporto

    Faltam 100 dias para o arranque do Euro 2016 em França. A organização da prova espera poder contar com Michel Platini desde o início da competição e recusa a ideia de jogos à porta fechada por segurança. Jacques Lambert, presidente do Comité organizador do Europeu, garante que a segurança está a ser bem planeada entre todas a entidades envolvidas.

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.