sicnot

Perfil

Desporto

França prepara resposta a eventuais atentados durante o Europeu de futebol

A França está a testar respostas a hipotéticos atentados nas dez cidades que vão acolher jogos do Euro2016 de futebol, que antecipam ataques a espaços públicos, como tiroteios e lançamento de bombas a partir de drones.

© Benoit Tessier / Reuters

Os testes, que envolvem forças policiais e bombeiros, são uma resposta aos receios de ataques terroristas, agravados depois dos atentados de 13 de novembro, em Paris, que causaram a 130 mortos e centenas de feridos.

O Stade de France, que a 10 de julho vai ser palco da final do Euro2016, competição na qual Portugal marcará presença, foi um dos alvos dos atentados de novembro.

Os testes arrancaram há cerca de um mês e têm, segundo as autoridades, "decorrido com a máxima discrição".

Algumas das simulações levadas a cabo, incluíram um drone carregado com uma bomba química, que sobrevoou o estádio Aliianz Riviera, em Nice, um ataque com gases tóxicos em Saint-Étienne, e tiroteios nas estações de comboios de Bordéus e Marselha.

Outros dos cenários suscetíveis de ataques são as fan zone, zonas de concentração de adeptos.

Recentemente, o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneucce, admitiu que a "ameaça terrorista no país nunca foi tão elevada".

Portugal vai disputar a fase final do Euro2016, que se inicia a 10 de junho, integrado no Grupo F, juntamente com Islândia, Hungria e Áustria.

Lusa

  • Organização do Euro 2016 recusa ideia de jogos à porta fechada por segurança
    1:14

    Desporto

    Faltam 100 dias para o arranque do Euro 2016 em França. A organização da prova espera poder contar com Michel Platini desde o início da competição e recusa a ideia de jogos à porta fechada por segurança. Jacques Lambert, presidente do Comité organizador do Europeu, garante que a segurança está a ser bem planeada entre todas a entidades envolvidas.

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Costa alerta para "condições particularmente adversas"
    1:47

    País

    O primeiro-ministro alertou para a possibilidade de novos incêndios de grandes dimensões, muito por causa da situação de seca que grande parte do território atravessa. António Costa pediu aos portugueses um "particular cuidado com todos os comportamentos de risco".

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Temperaturas vão baixar nos próximos dias
    1:05
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35