sicnot

Perfil

Desporto

Jornalistas, "uma classe que não merece este tipo de colegas"

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, disse hoje que criticou alguns jornalistas, que acusa de mentirem para prejudicar o clube, para proteger "uma classe que não merece este tipo de colegas".

O Tribunal Arbitral do Desporto revogou hoje a suspensão de Bruno de Carvalho

O Tribunal Arbitral do Desporto revogou hoje a suspensão de Bruno de Carvalho

MIGUEL A. LOPES / Lusa

"Ao contrário de alguns 'jornalistas' não me escondo atrás de supostas fontes para mentir passando a responsabilidade do mesmo para outrem. Digo a verdade, desmascaro mentiras e digo claramente quem usa destas práticas indignas exatamente para proteção de uma classe que não merece este tipo de 'colegas'", escreveu o líder 'leonino' na sua página oficial no Facebook.

Esta quarta-feira, o Sindicato dos Jornalistas (SJ) criticou Bruno de Carvalho, por este ter identificado alguns profissionais que considera que mentem para prejudicar o clube, dizendo aos seus associados para agirem judicialmente contra o presidente do Sporting, além de anunciar que vai fazer uma exposição ao Governo, à Liga de clubes e à Federação Portuguesa de Futebol.

Dizendo ter sido surpreendido com o comunicado, Bruno de Carvalho diz que nada o "move contra jornalistas, antes pelo contrário", pois apenas não considera jornalistas "aqueles que envergonham a classe mentindo, que se escudam em fontes duvidosas ou falsas e que não dão a hipótese de contraditório aos visados".

"Uns usam as televisões, outros os jornais, outros revistas e outros blogues. Eu uso a minha página de Facebook que é a única ferramenta que tenho para informar devidamente as pessoas e para me defender e ao Sporting CP das mentiras constantes que são passadas às pessoas", escreveu.

Dizendo que também vai pôr um processo judicial à presidente do SJ, dizendo que terá de provar que fez "falsas acusações", garantindo que o seu uso da palavra é apenas "o direito e liberdade de informar" e de se "indignar com tudo" o que acha "impróprio e indigno".

"Manterei o meu total respeito pelos jornalistas. Manterei o meu direito a desmascarar todos aqueles que se escondem atrás dessa profissão para mentir e tentar manipular a opinião pública", concluiu.

Com Lusa

Hoje fui surpreendido com um comunicado do presidente dos jornalistas sindicalizados.Nesse comunicado fala de "...

Publicado por Bruno de Carvalho em Quarta-feira, 9 de Março de 2016
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.