sicnot

Perfil

Desporto

Jornalistas, "uma classe que não merece este tipo de colegas"

O presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, disse hoje que criticou alguns jornalistas, que acusa de mentirem para prejudicar o clube, para proteger "uma classe que não merece este tipo de colegas".

O Tribunal Arbitral do Desporto revogou hoje a suspensão de Bruno de Carvalho

O Tribunal Arbitral do Desporto revogou hoje a suspensão de Bruno de Carvalho

MIGUEL A. LOPES / Lusa

"Ao contrário de alguns 'jornalistas' não me escondo atrás de supostas fontes para mentir passando a responsabilidade do mesmo para outrem. Digo a verdade, desmascaro mentiras e digo claramente quem usa destas práticas indignas exatamente para proteção de uma classe que não merece este tipo de 'colegas'", escreveu o líder 'leonino' na sua página oficial no Facebook.

Esta quarta-feira, o Sindicato dos Jornalistas (SJ) criticou Bruno de Carvalho, por este ter identificado alguns profissionais que considera que mentem para prejudicar o clube, dizendo aos seus associados para agirem judicialmente contra o presidente do Sporting, além de anunciar que vai fazer uma exposição ao Governo, à Liga de clubes e à Federação Portuguesa de Futebol.

Dizendo ter sido surpreendido com o comunicado, Bruno de Carvalho diz que nada o "move contra jornalistas, antes pelo contrário", pois apenas não considera jornalistas "aqueles que envergonham a classe mentindo, que se escudam em fontes duvidosas ou falsas e que não dão a hipótese de contraditório aos visados".

"Uns usam as televisões, outros os jornais, outros revistas e outros blogues. Eu uso a minha página de Facebook que é a única ferramenta que tenho para informar devidamente as pessoas e para me defender e ao Sporting CP das mentiras constantes que são passadas às pessoas", escreveu.

Dizendo que também vai pôr um processo judicial à presidente do SJ, dizendo que terá de provar que fez "falsas acusações", garantindo que o seu uso da palavra é apenas "o direito e liberdade de informar" e de se "indignar com tudo" o que acha "impróprio e indigno".

"Manterei o meu total respeito pelos jornalistas. Manterei o meu direito a desmascarar todos aqueles que se escondem atrás dessa profissão para mentir e tentar manipular a opinião pública", concluiu.

Com Lusa

Hoje fui surpreendido com um comunicado do presidente dos jornalistas sindicalizados.Nesse comunicado fala de "...

Publicado por Bruno de Carvalho em Quarta-feira, 9 de Março de 2016
  • Paula Brito e Costa continua a trabalhar na Raríssimas

    País

    Depois de ter apresentado a demissão do cargo de presidente da Raríssimas, Paula Brito e Costa mantém-se a exercer funções na associação, apurou a SIC. Identifica-se agora como diretora-geral e já comunicou isso mesmo a alguns funcionários.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.