sicnot

Perfil

Desporto

Falta de dinheiro obriga a parar campeonato de futebol na Guiné-Bissau

A Federação de Futebol da Guiné-Bissau (FFG) suspendeu os jogos do campeonato por tempo indeterminado devido a falta de verbas para custear a realização da prova, indicou o organismo numa nota distribuída hoje à imprensa.

(Arquivo Lusa)

(Arquivo Lusa)

EPA

Na nota, a secretária-geral da FFG, Virgínia da Cruz, indicou que "os jogos do campeonato da primeira divisão são suspensos a partir desta semana, devido à situação financeira".

A interrupção do campeonato, facto recorrente no futebol guineense, acontece numa altura em que a prova ia na sétima jornada, com o Sporting da Guiné-Bissau na frente, com 17 pontos, seguido do Benfica de Bissau, com 14.

Uma outra fonte da federação indicou à agência Lusa que a instituição foi obrigada a tomar a medida por já não ter a capacidade de suportar as despesas com o campeonato, uma vez que o Governo "há muito que deixou de dar dinheiro".

A federação recebe uma subvenção anual do Governo, mas as duas entidades estão em desacordo, com o executivo a acusar o presidente da federação, Manuel Nascimento Lopes, de sabotagem à sua ação.

Nascimento Lopes é político e faz parte da lista dos 15 deputados expulsos do parlamento. Recentemente foi citado pela imprensa local a admitir que estava empenhado em derrubar o atual governo no parlamento.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15