sicnot

Perfil

Desporto

Agência Mundial Antidopagem confirma 99 casos positivos por meldonium desde 1 de janeiro

A Agência Mundial Antidopagem (AMA) indicou hoje que 99 atletas deram positivo por meldonium desde 1 de janeiro, data em que o produto, que se tornou mediático com Maria Sharapova, passou a integrar a lista de substâncias proibidas.

Ben Nichols, porta-voz da AMA afirmou que desde 1 de janeiro de 2016, data na qual o meldonium passou a ser interdito, houve 99 casos positivos registados.

Ben Nichols, porta-voz da AMA afirmou que desde 1 de janeiro de 2016, data na qual o meldonium passou a ser interdito, houve 99 casos positivos registados.

© Ints Kalnins / Reuters

"Podemos confirmar que desde 01 de janeiro de 2016, data na qual o meldonium passou a ser interdito, houve 99 casos positivos registados", revelou Ben Nichols, porta-voz da AMA via email.

A substância saltou para a ribalta do desporto na segunda-feira, quando a tenista russa Maria Sharapova, vencedora de cinco 'Grand Slams' e atual sétima classificada do 'ranking' mundial, anunciou que tinha tido um controlo positivo por meldonium durante o Open dos Estados Unidos.

O meldonium (ou mildronate) é um fármaco, proibido na Europa Ocidental e nos Estados Unidos, recomendado para combater a insuficiência cardiovascular e permite que o coração suporte grandes cargas de trabalho físico ou intelectual.

No entanto, a AMA decidiu proibi-lo este ano, após receber dados alarmantes que confirmavam o seu uso recorrente por parte de desportistas profissionais nos países resultantes do desmembramento da União Soviética.

Lusa

  • "Nobel é um incentivo para toda uma nação"
    1:19

    Mundo

    O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos recebeu ao início da tarde na Noruega o prémio pelo trabalho que desenvolveu junto das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, FARC. As cerimónias são este sábado e marcadas pela ausência do Nobel da Literatura, Bob Dylan.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55

    Football Leaks

    Com o escândalo dos agentes de futebol a dar que falar, o Expresso revela este sábado os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa. O nome da empresa de que é administrador, a Energy Soccer, surge na investigação em transferências de jogadores que envolvem o Futebol Clube do Porto num conflito de interesses.