sicnot

Perfil

Desporto

FIFA suspende ex-responsável sul-africano por resultados combinados

A FIFA suspendeu um antigo responsável pelo futebol sul-africano, Leslie Sedibe, por cinco anos, após uma investigação a uma série de resultados combinados em torna da seleção nacional, que remontam a 2010.

© Mike Hutchings / Reuters

Leslie Sedibe, que foi diretor-executivo da Associação Sul-Africana de Futebol durante um ano, incluindo o período em que o país recebeu o Mundial de futebol de 2010, vai ainda ter que pagar uma multa com 20 mil francos suíços (cerca de 18.200 euros).

Além de Sedibe, o Comité de Ética da FIFA também suspendeu outros dois responsáveis sul-africanos da área da arbitragem, Steve Goddard e Adeel Carelse, por dois anos, igualmente envolvidos no processo de resultados combinados.

Todos os envolvidos foram considerados culpados de atos de conduta imprópria e suspensos de toda a atividade relacionada com o futebol, embora a FIFA não tenha adiantado pormenores sobre o processo relacionado com os resultados combinados.

Lusa

  • Ex-membro do Comité Executivo da FIFA admite subornos nos Mundiais de 1998 e 2010
    2:27

    Desporto

    O ministro britânico do Desportos disse esta manhã que se forem provados os casos de corrupção na FIFA, deveria ser feita uma nova escolha para os países organizadores dos mundiais de 2018 e 2022. Entretanto, a sede da federação venezuelana de futebol foi alvo de buscas nas últimas horas e a polícia sul-africana abriu um inquérito por existirem suspeitas de que podem ter sido pagos subornos aquando da atribuição do Mundial de 2010 à Africa do Sul. As autoridades norte-americanas e suíças, que lideram as duas investigações internacionais aos casos de corrupção na FIFA, não excluem a possibilidade de virem a ser investigadas outras federações nacionais de futebol, espalhadas pelo mundo.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.