sicnot

Perfil

Desporto

Federação reafirma que foi Sara Moreira "a errar", não os juízes do nacional de crosse

A Federação Portuguesa de Atletismo (FPA) defendeu hoje que foi Sara Moreira, e não os juízes, a errar no Nacional de corta-mato, domingo em Albufeira, numa situação que levou a desistir quando era líder destacada. "Não houve um erro de ajuizamento, mas sim um erro de cálculo da própria Sara, que calculou mal as voltas que lhe faltava correr", disse Jorge Vieira, presidente da FPA, em declaração vídeo divulgada na página da federação da modalidade.

A uma volta do fim, Sara Moreira, atleta do Sporting, estava lançada para conquistar o primeiro título nacional de corta-mato e levantou os braços, convencida que tinha terminado, parando depois de correr, para celebrar.

Alertada pelos juízes que ainda faltava uma volta, Sara Moreira - que afirmou ter ouvido o sino indicador da última volta na volta anterior - já não teve força anímica para continuar, desatando num choro compulsivo.

A desistência de Sara Moreira, 'crónica' segunda classificada nos últimos anos, permitiu a vitória da benfiquista Salomé Rocha e afastou mais o Sporting da luta pelo título coletivo, que só se definiu na última volta.

Jorge Vieira manifesta à atleta a sua solidariedade, a nível pessoal e institucional, "nestes momentos menos bons", por "não ter ajudado o seu clube para mais um título individual e para uma vitória coletiva" e relembra: "devemos aceitar que os campeões se fazem precisamente através do erro."

"As melhores performances fazem-se através de muitos erros cometidos. A Sara esforça-se todos os dias, não corre apenas para completar a competição, nunca corre a meio gás", disse ainda.

Elogiando a "determinação e concentração" da atleta nos seus objetivos, o dirigente acrescentou: "Arriscou para ganhar um título que há muito tempo persegue."

Sara Moreira tem mínimos olímpicos para a maratona dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, devendo ser uma das três atletas portuguesas na distância.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.