sicnot

Perfil

Desporto

Aprovada redução da II Liga para 20 equipas em 2017/18

Os clubes da I e da II Liga aprovaram hoje a proposta da direção da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) para a redução do segundo escalão para 20 clubes em 2017/18.

Na atual temporada, a II Liga vai passar de 24 para 22 equipas, com a descida de cinco conjuntos ao Campeonato de Portugal, do qual vão subir três.

De acordo com a decisão tomada em Assembleia-Geral, o segundo escalão passará a ter 20 equipas em 2017/18, com a época anterior a ser de transição, com a descida de quatro equipas da II Liga e subida das vencedoras das zonas Sul e Norte do Campeonato de Portugal.

Na mesma época, será ainda disputado um play-off entre os 17.º e 18.º classificados da II Liga e os segundos classificados de cada uma das zonas do terceiro escalão, uma eliminatória que dará duas vagas na segunda competição profissional.

Nas épocas seguintes, os clubes aceitaram um formato que consiste na descida de dois conjuntos da II Liga e consequente subida de outros dois do primeiro escalão não profissional.

Pinto da Costa foi o único presidente dos clubes grandes que marcou presença na sede da Liga, sendo que Benfica e Sporting fizeram-se representar por Paulo Gonçalves e Patrícia Silva Lopes, respetivamente.

Além destes participaram ainda na Assembleia geral mais quatro presidentes de clubes do principal escalão: Júlio Mendes, do Vitória de Guimarães, António da Silva Campos, do Rio Ave, Álvaro Braga Júnior, do Boavista, e José Eduardo Simões, da Académica.

Lusa

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.