sicnot

Perfil

Desporto

Nações Unidas retiram cargo de embaixadora a Sharapova

As Nações Unidas retiraram a Maria Sharapova o cargo honorário de embaixadora, que mantinha há nove anos, depois de a tenista russa ter acusado positivo num controlo antidoping durante o Open da Austrália.

© Jeff Zelevansky / Reuters

"O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento continua a manifestar-se grato a Maria Sharapova pelo apoio que tem prestado, especialmente, no que se relaciona com desastre nuclear de Chernobyl [atual Ucrânia]", disse um porta-voz da instituição.

Sharapova, de 28 anos, revelou que teve um controlo positivo a meldonium, substância que toma desde 2006 e que se tornou proibida este ano, assumindo que não tinha visto a lista atualizada de produtos proibidos.

De acordo com a Federação Internacional de Ténis (ITF), a russa foi controlada a 26 de janeiro no Open da Austrália, num teste que revelou a presença do produto proibido, o que já levou vários patrocinadores a anunciar a suspensão do relacionamento com Sharapova.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.

  • Dirigente derrotado da Gâmbia concorda em ceder poder

    Mundo

    O ex-presidente e candidato derrotado das eleições na Gâmbia, Yahya Jammeh, concordou em ceder o poder ao novo Presidente do país, empossado na quinta-feira, indicou esta sexta-feira um responsável governamental senegalês.