sicnot

Perfil

Desporto

Treinador do Vitória de Setúbal espera FC Porto fortíssimo no Bonfim

O treinador do Vitória de Setúbal, Quim Machado, refutou hoje a ideia de a sua equipa poder ter no sábado pela frente um FC Porto fragilizado na partida da 27.ª jornada da I Liga de futebol.

Quim Machado é treinador do Vitória de Setúbal desde o início desta temporada.

Quim Machado é treinador do Vitória de Setúbal desde o início desta temporada.

SIC

"Porto é Porto! Tem qualidade e bons jogadores. Está no terceiro lugar, na luta pelo título e é fortíssimo. Vamos ter de encarar o jogo de forma muito séria, competente e organizada. Trata-se de uma equipa de topo e não podemos cometer erros. Dizem que o FC Porto não está num momento bom. Não acredito. De um momento para o outro vão buscar vitórias onde ninguém espera", disse em conferência de imprensa.

O técnico reconhece que o adversário se vai apresentar no estádio do Bonfim pressionado, mas não acredita num 'dragão' inseguro por seguir em terceiro lugar com 58 pontos, estando a seis do líder, o Benfica.

"O FC Porto não pode perder mais pontos se quiser ser campeão. Nós também precisamos de pontos e queremos ganhar. Estou à espera de um FC Porto forte. Foi nessa base que preparámos o jogo. Têm jogadores que podem não estar bem num jogo, mas no seguinte fazem toda a diferença", referiu.

Apesar do elevado grau de dificuldade que antevê para o duelo de sábado, Quim Machado mostra-se confiante no reencontro da sua equipa, sete jornadas depois, com os êxitos e no final do 'enguiço' de 33 anos sem ganhar aos portuenses em Setúbal.

"Se calhar não é o melhor jogo para conseguirmos virar esta onda de resultados que temos tido. A estatística com o FC Porto também é difícil, mas talvez seja este o jogo do ponto de viragem. Vamos tentar ao fim de tantos anos dar uma alegria aos nossos adeptos. Acreditamos que é possível", afiançou.

O timoneiro dos sadinos prometeu um Vitória ambicioso e com o objetivo da conquista dos três pontos.

"Também queremos vencer. As minhas equipas jogam sempre para ganhar, não jogamos para o ponto. Temos uma identidade de futebol ofensivo. Mudar tudo agora não era o caminho mais correto para ganhar", considerou.

Em relação às razões que levaram à quebra de produtividade da sua equipa no mês de janeiro, Quim Machado faz uma analogia com o que poderia acontecer com os clubes que seguem nas primeiras duas posições do campeonato, Benfica e Sporting.

"Em janeiro perdemos dois jogadores importantes, que têm sido titulares nos grandes: o Rúben Semedo, no Sporting, e o Suk, no FC Porto. É como se tirassem o Slimani do Sporting e o Jonas do Benfica", comparou, afirmando que a "falta de sorte e arbitragens" também contribuem para explicar o ciclo atual.

Na partida de sábado, os setubalenses não podem contar com os guarda-redes Ricardo (cedido pelo FC Porto) e Diego lesionado nem com o defesa Nuno Pinto (castigado). A estas 'baixas' junta-se o avançado Meyong, que hoje se ressentiu de um traumatismo na tibiotársica direita, e falha o confronto com os dragões.

O Vitória de Setúbal, 13.º classificado, com 28 pontos, defronta o FC Porto, terceiro, com 58, pelas 20:45 de sábado no Estádio do Bonfim, em Setúbal. A arbitragem estará a cargo de Manuel Mota, da associação de Braga.

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • Ronaldo não está preocupado com repercussões de eventual fuga fiscal
    1:30

    Football Leaks

    Cristiano Ronaldo diz que quem não deve não teme. O avançado português não se mostra preocupado com as notícias que revelam que o jogador não terá declarado os rendimentos da publicidade ao fisco espanhol. Fontes do Ministério das Finanças do país vizinho confirmaram ao jornal El Mundo que o português está a ser investigado há ano e meio.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.