sicnot

Perfil

Desporto

Etíope Ruti Aga e queniano Kirop Kitwara vencem meia-maratona de Lisboa

A etíope Ruti Aga e o queniano Kirop Kitwara venceram hoje isolados a 26.ª edição da meia-maratona de Lisboa, com Sara Moreira a ser a melhor portuguesa, na quinta posição.

Kirop Kitwara

Kirop Kitwara

MIGUEL A. LOPES

 Ruti Aga

Ruti Aga

MIGUEL A. LOPES

MIGUEL A. LOPES

Na prova feminina, Ruti Aga venceu em 1:09.16 horas, à frente da compatriota Wude Ayalew (1:09.23) e da queniana Linet Masai (1:09.33), com Sara Moreira a terminar na quinta posição, em 1:10.17.

Numa corrida dominada pelos quenianos, que ocuparam os cinco primeiros lugares, Kirop Kitwara venceu em 59.47 minutos, seguido de Kiprop Kipkemoi (1:00.05 horas) e Paul Lonyangata (1:00.11), tendo Samuel Barata sido o melhor português.

Na prova de cadeira de rodas, os britânicos David Weir e Rochelle Woods bateram o recorde do mundo, com tempos de 42.23 e 49.49 minutos, respetivamente.

Os portugueses Emanuel Rolim e Ercília Machado venceram a mini-maratona.

Sara Moreira e Samuel Barata felizes por serem melhores portugueses

Sara Moreira (Sporting) e Samuel Barata (Benfica) foram os melhores portugueses na 26.ª edição da meia-maratona de Lisboa, ocupando o quinto e o 16.º lugar das provas feminina e masculina, respetivamente.

A atleta dos 'leões', que na 25.ª edição havia sido também a melhor portuguesa, ocupando o segundo lugar, foi hoje quinta classificada, em 1:10.17 horas, e mostrou-se feliz pelo lugar alcançado.

"Quero dar os parabéns à organização, estou muito satisfeita com o resultado. O ano passado preparei a maratona, agora não, venho de uma preparação para o corta-mato, fazer um tempo destes é bom para me preparar para maratona olímpica deste ano no Rio de Janeiro", vincou em conferência de imprensa após a corrida.

Já na elite masculina, Samuel Barata foi o melhor atleta luso, ao alcançar o 16.º lugar, ao cabo de 1:04.41 horas, considerando o seu resultado "espetacular".

"Estou supersatisfeito com o meu resultado, é espetacular, tenho 22 anos e se treinar poderei fazer melhor, foi um dia espetacular, estou satisfeito de pertencer a esta festa e espero que em 2020 o campeonato do mundo seja cá para eu participar", afirmou.

Carlos Móia, presidente do Maratona Clube de Portugal, clube organizador da prova realçou os resultados obtidos pelos dois portugueses.

"Com uma marca de uma hora e quatro minutos, só posso dar os parabéns ao Samuel Barata, não há muita gente assim em Portugal e vai ter muitas possibilidades de fazer melhor e esperemos que o futuro lhe sorria. A Sara sempre esteve aqui, somos grandes amigos e espero que nos Jogos Olímpicos mostre o seu valor e aproveito para lhe desejar grandes felicidades", sublinhou.

Com Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43