sicnot

Perfil

Desporto

Nadadora Yulia Efimova, acusada de consumo de meldonium, diz que provará inocência

A nadadora olímpica russa Yulia Efimova rejeitou hoje a acusação de consumo de meldonium, substância proibida pela Agência Mundial Antidoping (AMA), e assegurou que irá provar a sua inocência.

© USA Today Sports / Reuters

"Rejeito categoricamente a acusação e doping. Estamos a preparar a audição relativa ao meu caso e esperamos provar que não violei nenhum regulamento antidoping", afirmou, num vídeo que publicou na sua página da rede social Facebook.

Yuklia Efimova foi suspensa provisoriamente este mês pela Federação Internacional de Natação (FINA), por "possível violação das regras antidoping" e poderá ser irradiada.

"Recebemos da FINA documentação que confirma a suspensão, devido a uma possível violação das regras antidoping", referiu então a federação russa da modalidade, garantindo já ter pedido esclarecimentos sobre o assunto.

A imprensa russa adianta que Yulia Efimova, medalha de bronze nos 200 metros bruços dos Jogos Olímpicos Londres2012 e detentora de quatro títulos mundiais, terá acusado consumo de meldonium.

A nadadora, de 23 anos, já tinha tido um controlo positivo em 2014, pelo qual foi punida com 16 meses de suspensão, pelo que corre o risco de ser irradiada, caso tenha um segundo controlo positivo.

O meldonium (ou mildronate) é um fármaco, proibido na Europa Ocidental e nos Estados Unidos, recomendado para combater a insuficiência cardiovascular e permite que o coração suporte grandes cargas de trabalho físico ou intelectual.

No entanto, a AMA decidiu proibi-lo a 01 de janeiro deste ano, após receber dados alarmantes que confirmavam o seu uso recorrente por parte de desportistas profissionais nos países resultantes do desmembramento da União Soviética.

O escândalo do consumo de meldonium foi espoletado por um controlo positivo da tenista russa Maria Sharapova, que assumiu consumir a substância desde 2006.

Entretanto, vários atletas russos tiveram também resultados positivos por consumo de meldonium.

Lusa

  • Primeiro-ministro holandês liga a Costa para explicar palavras de Dijsselbloem
    2:23

    País

    António Costa pediu que Djisselbloem desaparecesse da Presidência do Eurogrupo. Após esta tomada de posição, o primeiro-ministro holandês ligou para Costa na semana passada a dar explicações. Contudo, o primeiro-ministro português não recua e volta a dizer que Dijsselbloem não tem condições para continuar, na sequência das declarações sobre copos e mulheres. Os eurodeputados do Partido Popular Europeu reforçaram também esta terça-feira o pedido de demissão.

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Novo vídeo do Daesh mostra crianças a treinar para matar
    3:35
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Trump propõe cortes orçamentais para pagar muro

    Mundo

    O Presidente dos Estados Unidos está a propor cortes de milhões de dólares no orçamento para que os contribuintes norte-americanos, e não o México, paguem o muro a construir na fronteira entre os dois países.

  • Tecnologia permite a tetraplégico mexer mão e braço

    Mundo

    Um homem que ficou tetraplégico num acidente voltou a mover-se com a ajuda da tecnologia e apenas usando o pensamento, num projeto de investigadores dos Estados Unidos divulgado esta terça-feira na revista especializada em medicina The Lancet.