sicnot

Perfil

Desporto

Jonas Gutierrez acusa Newcastle de o ter despedido por cancro

O futebolista argentino Jonas Gutierrez, que processou o Newcastle por descriminação por deficiência, acusou hoje o clube inglês de o ter despedido devido ao cancro que teve nos testículos.

© Action Images / Reuters

"Fui notificado mesmo antes de iniciar o tratamento ao cancro. Foi um grande choque", contou o atual jogador do Deportivo da Corunha, de Espanha.

O atleta de 32 anos lembrou que a sua surpresa pela saída foi ainda maior face ao papel que tinha na equipa: "Especialmente pelo facto de ter disputado 194 jogos pelo clube, no qual era um dos jogadores-chave. Sinto que fui descartado da equipa devido ao meu cancro."

O antigo internacional argentino chegou ao Newcastle em 2008 e, em outubro de 2013, foi submetido a uma operação para retirar um tumor do testículo esquerdo.

Segundo Jonas Gutierrez, o treinador da altura, Alan Pardew, disse-lhe em dezembro que não competiria mais pela equipa, apesar de lhe restarem 19 meses de contrato.

O argentino contou ainda que o clube o impediu de atingir o limite de 80 jogos disputados entre 2011 e 2015, o que lhe renovaria automaticamente o contrato: aos 78 desafios, foi emprestado ao Norwich, em janeiro de 2014.

Segundo a imprensa britânica, o futebolista reclama uma indemnização de 2,5 milhões de euros.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.