sicnot

Perfil

Desporto

Joseph Blatter admite ir ao Mundial 2018

O ex-presidente da FIFA Joseph Blatter, suspenso por seis anos de toda a atividade no futebol, disse estar disponível para marcar presença na fase final do Mundial2018.

Em questão está o pagamento de 1,8 milhões de euros da FIFA a Platini em 2011, alegadamente por trabalhos como conselheiro por este realizado para a FIFA, entre 1999 a 2002, com base num contrato verbal. (Arquivo)

Em questão está o pagamento de 1,8 milhões de euros da FIFA a Platini em 2011, alegadamente por trabalhos como conselheiro por este realizado para a FIFA, entre 1999 a 2002, com base num contrato verbal. (Arquivo)

© Denis Balibouse / Reuters

Segundo a edição de hoje do diário alemão Frankfurter Allgemeine Zeitung, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, enviou um convite a Blatter para a prova, mas o suíço não confirma a notícia, embora admita que, se for convidado, aceitará.

"Se for convidado, aceitarei", assegurou ao jornal alemão Joseph Blatter, que não se desloca a um estádio desde que foi suspenso, no âmbito do escândalo de corrupção que assolou a FIFA.

Depois de uma punição inicial de oito anos de suspensão, aplicada pelo Comité de Ética da FIFA, Blatter recorreu para o Comité de Apelo, que reduziu a pena para seis anos.

Blatter foi suspenso por um controverso pagamento, considerado ilegal, de 1,8 milhões de euros em 2011, por alegado trabalho de consultadoria realizado por Michel Platini, nove anos antes, em 2002.

Tal como Blatter, também o presidente suspenso da UEFA recebeu um castigo idêntico na segunda instância da FIFA e também já recorreu para o Tribunal Arbitral do Desporto TAS.

Lusa

  • Oceanário de Lisboa dá formação sobre impacto da acumulação de plásticos nos oceanos
    2:37
  • Trump e Netanyahu discutiram "ameaças que o Irão coloca"

    Mundo

    O novo Presidente norte-americano, Donald Trump, e o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, debateram "as ameaças que o Irão coloca" e concordaram que a paz israelo-palestiniana só pode ser "negociada diretamente", anunciou este domingo a Casa Branca.