sicnot

Perfil

Desporto

Morreu Johan Cruyff

Morreu o antigo jogador e treinador de futebol holandês Johan Cruyff. Tinha 68 anos, foi vítima de cancro.

© Albert Gea / Reuters

O anúncio foi feito no site oficial de Cruyff:

"A 24 de março de 2016, Johan Cruyff (68) morreu em paz, em Barcelona, rodeado pela sua família e depois de uma dura luta contra o cancro. É com muita tristeza que pedimos respeito pela privacidade da família no decorrer do seu luto."

Com cancro no pulmão, a doença terá sido diagnosticada em outubro do ano passado.

Hendrik Johannes Cruijff foi operado ao coração em 1991 e desde então deixou de fumar e protagonizou uma campanha antitabágica.

"Na minha vida tive dois grandes vícios: fumar e jogar futebol. O futebol deu-me quase tudo na vida, ao contrário, fumar quase a tirou", era o lema da campanha protagonizada por Cruyff.

Na sua luta para deixar de fumar, Cruyff substituiu os cigarros por chupa-chupas, quando era técnico do FC Barcelona, clube que orientou entre 1988 e 1996.

Como jogador, Johan Cruyff evidenciou-se ao serviço de Ajax e seleção holandesa, tendo representado também os espanhóis do FC Barcelona e do Levante, e os norte-americanos LA Aztecs e Washington Diplomats.

Johan Cruyff iniciou a carreira de treinador em 1996 no Ajax, transferindo-se depois para o FC Barcelona, que orientou durante oito temporadas. Terminou a carreira de em 2012, depois de ter treinado durante quatro épocas a seleção da Catalunha.

Última atualização às 12:51/Com Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.