sicnot

Perfil

Desporto

FIFA garante reforço da segurança nos estádios de futebol

O novo presidente da FIFA garantiu na segunda-feira que o organismo trabalhará com todos os governos para reforçar a segurança nos estádios de futebol, depois dos últimos atos terroristas em recintos desportivos, no Iraque e em França.

Vista aérea do estádio Bollaert-Delelis em Lens Agglo, França, um dos estádios que vai receber o Euro2016.

Vista aérea do estádio Bollaert-Delelis em Lens Agglo, França, um dos estádios que vai receber o Euro2016.

© Pascal Rossignol / Reuters

Numa conferência de imprensa em Assunção, na primeira etapa de uma visita a várias federações da América do Sul, Gianni Infantino considerou os recentes atentados "uma tragédia que deve motivar uma reflexão de todos".

Infantino referia-se ao atentado, entretanto reivindicado pelo Daesh, levado a cabo no fim de semana passado num estádio de futebol em Iskandariyah, no Iraque, que causou 41 mortos e mais de uma centena de feridos.

O presidente da FIFA lembrou também os atentados ocorridos a 13 de novembro, em Paris, um dos quais nos arredores do Stade de France, onde decorria um jogo particular entre as seleções da França e a Alemanha, que obrigou a um reforço da segurança durante o próximo Europeu de futebol, que se realiza no país entre 10 de junho e 10 de julho.

Infantino anunciou também que a FIFA vai testar nos próximos meses o recurso dos árbitros a imagens de vídeo nos encontros particulares disputados sob a sua égide.

Gianni Infantino explicou que a FIFA ainda terá de tomar decisões sobre o funcionamento desta tecnologia e a sua articulação com as equipas de arbitragem, mas disse estar convencido "de que a tecnologia pode ajudar o futebol".

"Há situações muito pouco claras que podem alterar um jogo. Nessas situações a tecnologia pode ajudar o árbitro", afirmou.

O presidente da FIFA disse ainda que o uso de novas tecnologias deve ser testado em jogos particulares para avaliar o seu impacto no fluxo de jogo, antes de ser utilizado nas competições oficiais.

Lusa

  • "Estamos a investir na nossa própria desgraça"
    0:37
  • Saída dos EUA do acordo de Paris é "uma vergonha"

    Mundo

    O ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry considerou esta terça-feira "uma vergonha" a decisão do Presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo do clima de Paris, garantindo que o povo não acompanha esse gesto de "autodestruição".

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43