sicnot

Perfil

Desporto

Castigo de Diego Costa aumenta para três jogos de suspensão

A Federação Inglesa de Futebol aumentou hoje, de dois para três jogos de suspensão, o castigo a Diego Costa, após "conduta imprópria", frente ao Everton, derrota (2-0) que ditou a eliminação do Chelsea da Taça.

© Reuters Staff / Reuters

A 12 de março, no jogo dos quartos-de-final da Taça de Inglaterra, o avançado brasileiro, naturalizado espanhol, foi expulso por acumulação de amarelos, aos 84 minutos, já com o Everton em vantagem por 2-0.

Depois de ser admoestado pela primeira vez, Diego Costa cuspiu para os pés do árbitro, em sinal de protesto, mas foi já nos dez minutos finais que o avançado viu o vermelho, depois de confrontar o adversário Gareth Barry, simulando morder o inglês na zona do pescoço.

O árbitro Michael Oliver deu ordem de expulsão a Diego Costa, mas o hispano-brasileiro ficou ilibado das acusações de agressão, por Barry ter confirmado, no dia seguinte, que não fora mordido.

Ainda assim, Costa recebeu dois jogos de castigo automático pela expulsão, acrescidos agora de mais uma partida de suspensão, por protestos agressivos com o árbitro.

"O jogador do Chelsea Diego Costa foi suspenso por um jogo e advertido para o seu comportamento futuro. O avançado admitiu conduta imprópria e a suspensão começará imediatamente depois do atual castigo terminar", informou a Federação Inglesa, em comunicado no seu sítio oficial.

O avançado, que também foi multado em 25 mil euros, cumpriu o primeiro jogo de castigo frente ao West Ham (2-2), ficando agora a saber que, além da deslocação de sábado ao Aston Villa, também falhará a visita ao Swansea.

Diego Costa é reincidente em comportamentos agressivos e já tinha sido afastado dos relvados em setembro, por três jogos, depois de confrontos com os defesas do Arsenal Gabriel e Koscielny.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.