sicnot

Perfil

Desporto

Carlos Queiroz volta a criticar falta de apoio institucional à seleção do Irão

O treinador português Carlos Queiroz, que está demissionário do cargo de selecionador de futebol do Irão, criticou esta terça-feira o facto de ainda se estar a debater a sede e as instalações da seleção, que orienta até ao final de abril, e a falta de apoio institucional.

© Ivan Alvarado / Reuters

Em carta aberta na sua página oficial na rede Facebook, o técnico português, que resignou ao cargo a 14 de fevereiro, sublinha que "nada mudou para a seleção, nada está a ser feito pelo seu futuro", mesmo depois de se ter apurado para a segunda fase de qualificação para o Mundial de 2018, na Rússia.

"A verdade é que, 150 dias antes de o Irão começar a jogar a qualificação, recebendo o Qatar ou o Iraque, ainda estamos a debater e argumentar sobre as condições e as instalações da seleção", esclareceu.

Queiroz constatou, quando se demitiu, que a sua presença estava a ser "um entrave para que cheguem à federação iraniano os recursos básicos necessários à preparação ideal da equipa, os quais já tinham sido acordados".

Hoje reavivou essa questão: "As razões (da resignação) são sobejamente conhecidas e exclusivamente relacionadas com as condições de trabalho: promessas permanentemente quebradas, falta de apoio à seleção, aos nossos jogadores, às nossas instalações e à federação, que não eram compatíveis com as nossas ambições para a qualificação".

"Estamos a lidar com pessoas que pensam que os outros são realmente estúpidos e que só elas foram abençoadas com cérebro. Mas não somos estúpidos, os jogadores não são estúpidos, nem os adeptos iranianos", afirmou Queiroz.

Sem referir o 'alvo', o treinador português, que abandona o cargo no último dia do mês, assume: "Nestes últimos dias, neste belo país, encontro-me muito triste, não pela minha situação, mas porque nada mudou para a seleção, nada está a ser feito pelo seu futuro".

"O passado é a arquitetura do futuro. Mas não podem viver simultaneamente. É altura de escolher entre a estagnação ou a inovação, a inércia ou a aventura, as desculpas ou o sucesso", concluiu.

Lusa

  • Surto de hepatite A em Portugal
    2:45

    País

    Há um surto de hepatite A em Portugal. Desde janeiro, 105 pessoas foram diagnosticadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, um número superior aos casos contabilizados em todo o país nos últimos 40 anos. O surto terá começado na Holanda e está a atingir quase toda a Europa. A Direção-Geral de Saúde vai divulgar ainda esta terça-feira as normas de orientação clínica para que os médicos possam lidar da melhor maneira com este surto.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15
  • Kennedy acreditava que Hitler estava vivo

    Mundo

    Um diário de John F. Kennedy vai a leilão em Boston, nos Estados Unidos da América. O diário foi escrito durante a sua breve carreira como jornalista, depois da 2.ª Guerra Mundial. No livro, foram expostas algumas teorias do antigo Presidente norte-americano, como a possibilidade de Hitler estar vivo.

    Ana Rute Carvalho

  • Incêndio num estádio em Xangai destrói parte da bancada

    Mundo

    O Estádio Hongkou da equipa chinesa Shanghai Shenhua foi atingido esta terça-feira por um incêndio que acabou por danificar parte da bancada e algumas salas no interior da infraestrutura. Para o local, foi enviada uma equipa de bombeiros que conseguiu controlar as chamas.