sicnot

Perfil

Desporto

Carlos Queiroz volta a criticar falta de apoio institucional à seleção do Irão

O treinador português Carlos Queiroz, que está demissionário do cargo de selecionador de futebol do Irão, criticou esta terça-feira o facto de ainda se estar a debater a sede e as instalações da seleção, que orienta até ao final de abril, e a falta de apoio institucional.

© Ivan Alvarado / Reuters

Em carta aberta na sua página oficial na rede Facebook, o técnico português, que resignou ao cargo a 14 de fevereiro, sublinha que "nada mudou para a seleção, nada está a ser feito pelo seu futuro", mesmo depois de se ter apurado para a segunda fase de qualificação para o Mundial de 2018, na Rússia.

"A verdade é que, 150 dias antes de o Irão começar a jogar a qualificação, recebendo o Qatar ou o Iraque, ainda estamos a debater e argumentar sobre as condições e as instalações da seleção", esclareceu.

Queiroz constatou, quando se demitiu, que a sua presença estava a ser "um entrave para que cheguem à federação iraniano os recursos básicos necessários à preparação ideal da equipa, os quais já tinham sido acordados".

Hoje reavivou essa questão: "As razões (da resignação) são sobejamente conhecidas e exclusivamente relacionadas com as condições de trabalho: promessas permanentemente quebradas, falta de apoio à seleção, aos nossos jogadores, às nossas instalações e à federação, que não eram compatíveis com as nossas ambições para a qualificação".

"Estamos a lidar com pessoas que pensam que os outros são realmente estúpidos e que só elas foram abençoadas com cérebro. Mas não somos estúpidos, os jogadores não são estúpidos, nem os adeptos iranianos", afirmou Queiroz.

Sem referir o 'alvo', o treinador português, que abandona o cargo no último dia do mês, assume: "Nestes últimos dias, neste belo país, encontro-me muito triste, não pela minha situação, mas porque nada mudou para a seleção, nada está a ser feito pelo seu futuro".

"O passado é a arquitetura do futuro. Mas não podem viver simultaneamente. É altura de escolher entre a estagnação ou a inovação, a inércia ou a aventura, as desculpas ou o sucesso", concluiu.

Lusa

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46