sicnot

Perfil

Desporto

Observatório contra a homofobia denuncia insultos a Cristiano Ronaldo

O Observatório contra a Homofobia da Catalunha (OCH) denunciou junto da procuradoria insultos homofóbicos dos adeptos do FC Barcelona a Cristiano Ronaldo, no clássico de futebol de sábado, em Nou Camp.

© Ruben Sprich / Reuters

De acordo com o presidente do OCH, Eugeni Rodríguez, com base no artigo 11 da lei contra a 'lgbtfobia', "os funcionários e administração têm o dever de intervir perante o conhecimento de factos de homofobia".

Eugeni Rodríguez deu também a conhecer à diretora-geral para a Igualdade "os graves insultos contra Ronaldo, que tiveram lugar num evento público e perante uma multidão".

Durante o minuto de silêncio que teve lugar em memória de Johan Cruyff ouviram-se insultos dirigidos ao futebolista internacional português, nomeadamente "Cristiano maricas",

"É muito grave, vergonhoso e humilhante, esta exaltação de ódio homofóbico e a lei obriga, nos seus artigos 4 e 6, que a Procuradoria proteja e previna contra estas atitudes homofóbicas, ainda mais em lugares públicos", disse.

O Observatório pediu ainda uma investigação e que se adotem as medidas legais correspondentes, numa situação também comunicada ao conselho LGBT do Município de Barcelona e denunciada também na Comissão estatal contra a Violência no Desporto.

Igualmente, a Liga espanhola de futebol anunciou que levará o caso, dos insultos a Cristiano Ronaldo à comissão antiviolência e ao Comité de Competições da Federação Espanhola (RFEF).

Em comunicado, a Liga diz que "de uma forma esporádica e pontual, alguns espetadores, com o campo completamente em silêncio, gritaram 'pu.. Madrid' e 'Cristiano maricas', expressões que foram prontamente assobiadas por grande parte dos adeptos locais".

Lusa

  • Captura ilegal de cavalos-marinhos na Ria Formosa
    3:02

    País

    Há cada vez menos cavalos marinhos na Ria Formosa. Cientistas da Universidade do Algarve dizem que a maior população desta espécie no mundo, que é a que existe na Ria Formosa, está ameaçada devido à captura ilegal para o mercado asiático. Dizem que, se nada for feito para travar este fenómeno, esta espécie protegida pode desaparecer em poucos anos.