sicnot

Perfil

Desporto

Alfredo Hawit assume-se culpado no escândalo de suborno da FIFA

Alfredo Hawit, antigo vice presidente da FIFA, declarou-se culpado no escândalo de suborno da FIFA sobre direitos de transmissão.

Mark Lennihan

Hawit, de 64 anos, declarou-se esta segunda-feira culpado de quatro acusações de conspiração no âmbito da investigação, que envolve a FIFA, sobre suborno no valor de centenas de milhares de dólares ligados à venda de direitos de transmissão para torneios na América Latina.

A Justiça dos Estados Unidos investiga o caso que envolve mais de 40 pessoas em todo o mundo e centenas de milhões de dólares em pagamentos ilegais nos últimos 25 anos.

Alfredo Hawit foi também presidente interino da CONCACAF, desde junho do ano passado até 3 de dezembro, altura em que foi preso.

Hawit foi extraditado da Suíça para os Estados Unidos no início deste ano.

  • Kikas faz história
    1:22
  • Madonna está outra vez em Lisboa 😲
    0:59
  • Hindus pedem a troca de nome da cerveja brasileira Brahma

    Mundo

    Um grupo de hindus pediu a mudança da marca de cerveja Brahma, propriedade da multinacional cervejeira Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovaina, na Bélgica, argumentando que é inapropriado uma bebida alcoólica ter o nome que um deus hindu.

  • Manuais oferecidos aos alunos do 1.º ano não podem ser reutilizados
    2:42

    País

    As escolas querem que sejam devolvidos aos alunos os manuais do 1.ºo ano que foram dados gratuitamente pelo Estado para serem reutilizados nos próximos anos. A Associação de Diretores de Agrupamentos diz que os livros estão praticamente todos em bom estado, mas da forma como são feitos pelas editoras é impossível voltar a usá-los. As escolas querem que o Executivo chegue a um entendimento com as editoras para conceber manuais reutilizáveis.

  • Portugal com 3.ª maior dívida pública da UE

    Economia

    A dívida pública recuou, em termos homólogos, na zona euro e na União Europeia (UE), no primeiro trimestre, tendo Portugal registado a terceira maior dos 28 (130,5%), depois da Grécia e de Itália, divulga hoje o Eurostat.