sicnot

Perfil

Desporto

Mulheres vão começar a competir nos 50 quilómetros de marcha

As mulheres vão competir pela primeira vez nos 50 km marcha de uma competição oficial, depois da IAAF anunciar a abertura a ambos os sexos da prova da próxima Taça do Mundo, a realizar em Roma em maio.

Olga Kaniskina, campeã olímpica dos 20 quilómetros marcha em Pequim2008, tricampeã mundial (2007, 2009 e 2011) e campeã europeia (2010). (Arquivo)

Olga Kaniskina, campeã olímpica dos 20 quilómetros marcha em Pequim2008, tricampeã mundial (2007, 2009 e 2011) e campeã europeia (2010). (Arquivo)

© Laszlo Balogh / Reuters

A decisão do conselho da IAAF abre caminho a que o calendário oficial de provas tenha, finalmente, o mesmo número de provas para homens e para mulheres, já que os 50 km marcha são a última exceção.

Em Roma, que recebe a Taça do Mundo a 07 e 08 de maio, ainda não haverá provas e classificações separadas, mas sim a possoibilidade de as mulheres competirem juntamente com os homens, sem distinção, concorrendo todos para a mesma classificação coletiva.

Não haverá, por agora, limite de participantes por sexo, sendo que cada país poderá inscrever sete concorrentes e competir com cinco.

Sebastian Coe, presidente da IAAF, congratula-se com a mudança, que vê como um dos últimos passos para "assegurar as oportunidades competitivas entre homens e mulheres".

"Nas últimas décadas assistimos à introdução de provas femininas de salto com vara e lançamento do martelo. Ainda que haja alguma diferença de medidas em provas como as barreiras, a prova de 50 km era a única que estava reservada apenas aos homens", acrescentou.

A decisão da IAAF surge como resposta a uma petição da marchadora norte-americana Erin Taylor-Talcott, que vê a alteração como "um passo enorme e surpreendente para os direitos das mulheres".

Lusa

  • Enfermeiros especialistas em saúde materna retomam protesto 

    País

    Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia voltam quinta-feira de manhã a interromper as funções especializadas, o que pode afetar blocos de parto e maternidades. Queixam-se de "falta de resposta política adequada" e "ausência de acordos sérios".

  • Reis de Espanha enviam mensagem para funeral das vítimas portuguesas
    0:52
  • Cristas vaiada em bairro de Chelas
    1:44

    Autárquicas 2017

    Assunção Cristas promete mudanças na Gebalis, a empresa municipal que gere os bairros sociais em Lisboa. Esta manhã, a candidata do CDS à câmara visitou um bairro de Chelas, onde foi vaiada por alguns populares.

  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • "Em vez de ajudarem, estavam a tirar fotos dela a morrer"
    1:13